Friday, September 30, 2011

Qual é o Verdadeiro Evangelho?
A Bíblia registra o relato do ministério terreno do Senhor Jesus Cristo em quarto livros aos quais chamamos de EVANGELHOS. A palavra evangelho, vem do grego e significa “boas novas de salvação”. Dentro desse contexto, a Palavra de Deus registra pelo menos 7 diferentes tipos de evangelhos - ou seja, 7 diferentes maneiras de se testemunhar sobre as boas novas de salvação, além daquilo que o Apóstolo Tiago, em sua epístola chama de: “O verdadeiro Evangelho” (Tg 1.27). Contextualizados na palavra encontrei estes 7 tipos de evangelho:(1) Evangelho do Reino (Mt 24.14;Lc8.1); (2) Evangelho da Graça (At 20.24); (3) Evangelho de Deus (Rm 15.16); (4) Evangelho da Incircuncisão (Gl 2.7); (5) Evangelho da Paz (Ef 6.15); (6) Evangelho da Glória de Deus (1Tm 1.11); (7) Evangelho Eterno (Ap 14.6).
Vemos hoje sendo pregados ao redor do mundo diferentes tipos de evangelhos, a maioria deles humanistas e que visam muito mais encher salões, estádios, etc, assim como encher e amaciar o ego daqueles que deles fazem uso, do que prover vidas para o Reino dos Céus. Pouco se ouve acerca do Evangelho da Salvação, quase nada se escuta acerca da morte vicária do Senhor Jesus Cristo no calvário para resgatar a divida eterna do homem com Deus e qualificar este homem como candidato a uma vida eterna com o Senhor. Prega-se muito sobre cura de doenças, libertação de problemas, restauração de finanças e outros humanismos, e quase nada sobre estar crucificado com Cristo, sobre a santificação do espírito da alma e do corpo, sobre a restauração do homem por inteiro e não apenas de uma pequena área da sua vida. Enquanto isso, a Igreja aprova o divórcio como algo perfeitamente natural, e os valores da família, os quais o verdadeiro evangelho do Senhor Jesus Cristo, consagra e protege, são cada dia deixados de lado, porque a título de se res peitar uma lei civil, pregar contra o adultério e a fornicação se tornou um tabú para muitos dos modernos pregadores. No evangelho moderno não se pode mais pregar contra a idolatria, magia negra, satanismo, homossexualismo, lesbianismo, etc pois isso “fere” o direito inalienável de escolha do ser humano, e um grupelho de cristãos descaracterizados da pessoa do Senhor Jesus, classifica quem o prega de INTOLERANTE, homofóbico, radical, etc, etc. Aproveitando-se disso, os pregadores que a si mesmos se chamam de pós modernistas, mergulham numa teia de palavras bem articuladas, ao que chamam de “Pregação do Evangelho”. Estará isso agradando a Deus? Será que o autor da nossa salvação está feliz com essa atitude de alguns? Quando é que a Igreja vai retomar sua posição, de guardiã do Evangelho?
Vamos meditar sobre isto e que Deus tenha misericórdia de nós!!!

1 comment:

Jorge Luis said...

Boa noite.

Quero lhe indicar um site,

http://patristicabrasil.blogspot.com/
Esse tem conteúdo de teologia, propriamente documento do período da patrística (ou patrologia). São documentos que vão do ano 84 D.c ao ano 800 D.c, registros dos costumes cristãos, registram temas teológicos e culturais, etc.

E esse que contem uma bíblia do século II, Codex Sinaiticus, é a segunda bíblia mais antiga.
http://www.codexsinaiticus.org/en/manuscript.aspx?book=12&lid=en&side=r&zoomSlider=0
Uma informação rápida, esse exemplar foi digitalizado e colocado na internet para estudo, seu manuseio esta destruindo esse exemplar e o trabalho de vários especialistas e claro da internet, deu a nos um material de estudo precioso. Esse exemplar tem 1466 paginas, sendo que apenas 800 estão disposta por enquanto no site.

Esse outro site.
http://molcat1.bl.uk/treasures/gutenberg/search.asp

É o site da biblioteca britânica que fez o mesmo trabalho, digitalizou dois exemplares da bíblia de Gutenberg, ano 1450. Um exemplar tem uma bíblia simples sem muitos desenhos, e a outra rica em destaques de arte (desenhos).

Bíblia de Mogúncia

Impressa sobre pergaminho, cada página em duas colunas com 48 linhas, sendo as iniciais dos capítulos feitas à mão com tinta azul e vermelha. Trata-se da primeira obra impressa na qual aparecem data, lugar e nomes dos impressores, Fust e Schoeffer (ex-sócios de Gutenberg), no colofão. É o incunábulo mais antigo da Biblioteca Nacional, que possui dois exemplares.

BÍBLIA. Latim. Mogúncia. 1462. In civitate Maguntij: per Johannem Fust e Petrum Schoeffer, in vigília assumptionis Mariae [14 ago.] 1462. 2 v. 42 cm.
http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_obrasraras/or813929.pdf

Esse pdf é pesado tem que ter no minimo 1 mega, de conexão

Atenciosamente,
Jorge Luis.

Todavia, se eu tardar, saberás como proceder na casa de Deus, que é a Igreja do Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade.(1 tm 3,15)