Friday, June 22, 2012

UM "DEUS" QUE TODOS OS PERDIDOS ACEITAM ADORAR

O “DEUS” QUE TODOS OS PERDIDOS ACEITAM ADORAR
O mundo e a igreja cristã estão rapidamente testemunhando a criação de um "deus" que todos os homens perdidos podem adorar. Há uma invasão desse "deus" na igreja. Ele é cristão na aparência sem ser cristão na teologia bíblica. Ele é uma espécie de cristianismo híbrido com uma fachada piedosa e que já tem milhões de membros de igrejas, que apressadamente lhe ofereceram suas almas.
Há muitos anos que questionamos como o mundo inteiro poderia ser ludibriado a adorar Satanás, acreditando que ele é Deus. Milhões de pessoas viram e ouviram o suficiente sobre o Deus bíblico para certamente conhecê-lo bem. O conceito e a aparência dessa estranha manifestação aparentemente divina devem ser uma obra-prima do engano de Satanás. Para o Diabo ser capaz de perpetrar esse ato final de rebelião contra o Grande Deus da Eternidade, precisará realizar seu maior ato por meio dos poderes do disfarce.
Jesus Cristo e o apóstolo Paulo nos alertaram a respeito do engano espiritual sem paralelos do fim dos tempos; porém poucas pessoas estão dando ouvidos atualmente, incluindo muitos líderes cristãos evangélicos que certamente deveriam saber mais, já que foram treinados em seminários que supostamente lhes forneceram o discernimento bíblico para evitar a atual situação deplorável para a qual movimentos inteiros foram arrastados pelas próprias pessoas que tinham a incumbência de identificar o engano.
Vamos analisar rapidamente os alertas bíblicos sobre esse engano sem paralelos do fim dos tempos:
* "Acautelai-vos, que ninguém vos engane." [Mateus 24:4]
* "E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos." [Mateus 24:11]
* "Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos." [Mateus 24:24]
A palavra "cristo" refere-se ao ofício do Messias judaico, que é tanto político quanto religioso; assim sendo, Jesus está nos alertando para tomarmos cuidado com as enganações política e religiosa do fim dos tempos - esse engano será sem paralelos em ambas as áreas.
* "Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição." [2 Tessalonicenses 2:3]
Este último verso em particular é incrivelmente importante, pois revela a seqüência de eventos que levará ao aparecimento do Anticristo: 1) Grande apostasia - o abandono das doutrinas-chave tradicionais; 2) O aparecimento do Anticristo. Realmente, os líderes evangélicos liberais e carismáticos que continuamente afastam seus rebanhos da doutrina bíblica tradicional estão literalmente abrindo a porta para o Anticristo!
Assim como o termo "Anticristo" significa "opondo-se a Cristo no disfarce de Cristo" [Amplified Bible Commentary], assim a atual liderança cristã apóstata está conduzindo seus rebanhos diretamente aos braços do Anticristo, fingindo ser cristã.
Lembre-se, Satanás é o mestre do engano que iniciou uma rebelião no próprio centro do Templo Celestial e no centro do domínio angelical. Ezequiel pinta um quadro estarrecedor dessa bela criatura que foi criada por Deus e como sua convivência no domínio celestial foi gloriosa até que pecou. Leia o relato atentamente.
As Perfeições de Lúcifer Antes de sua Queda
"Filho do homem, levanta uma lamentação sobre o rei de Tiro, e dize-lhe: Assim diz o Senhor DEUS: Tu eras o selo da medida, cheio de sabedoria e perfeito em formosura. Estiveste no Éden, jardim de Deus; de toda a pedra preciosa era a tua cobertura: sardônia, topázio, diamante, turquesa, ônix, jaspe, safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados. Tu eras o querubim, ungido para cobrir, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniquidade em ti." [Ezequiel 28:12-15]
Deus Amaldiçoa Lúcifer
"Na multiplicação do teu comércio encheram o teu interior de violência, e pecaste; por isso te lancei, profanado, do monte de Deus, e te fiz perecer, ó querubim cobridor, do meio das pedras afogueadas. Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; por terra te lancei, diante dos reis te pus, para que olhem para ti. Pela multidão das tuas iniquidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu e te tornei em cinza sobre a terra, aos olhos de todos os que te vêm." [Ezequiel 28:16-18]
Após esse retrato bíblico da corrupção absoluta, ninguém pode duvidar das profundezas de degradação de que Satanás é capaz. A grande rebelião não tomou lugar em alguma região sombria de uma terra amaldiçoada; ela ocorreu no próprio templo de Deus. Satanás mostrou que foi capaz de fomentar uma rebelião tão estarrecedora que um terço dos anjos de Deus se uniu na revolta de Lúcifer. O Espírito Santo inspirou o profeta Ezequiel a dizer para Satanás: "Tu eras o selo da medida, cheio de sabedoria e perfeito em formosura". Não, meu estimado amigo, Satanás não se parece com um dragão, este é o símbolo que lhe foi atribuido; ele pode parecer absolutamente perfeito em sua beleza [2 Coríntios 11:14]. Sua grande habilidade para apresentar-se de forma a iludir as pessoas é descrita dramaticamente por Ezequiel: "até que se achou iniquidade em ti". O Espírito Santo descreve claramente que esse produto de Satanás fez com que "se enchessem o teu interior de violência".
Satanás Deseja Ser Deus Sobre Todos os Demais
Toda a rebelião de Satanás parece ter começado com o desejo de substituir Deus. Esse foi o início do seu pecado, conforme registrado em Isaias.
"Como caiste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte. Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo." [Isaias 14:12-15]
Por causa dos contínuos pecados e rebeliões do homem contra Deus, Satanás receberá permissão para seu último grande ato de disfarçar-se à semelhança do Pai. Satanás é mestre na tentativa de imitar o Pai Celestial. Toda falsa religião está estabelecida sobre alguma premissa de verdade, e/ou falsas promessas encobertas por palavras que soam bíblicas. Essas religiões geralmente se iniciam com alguma experiência sublime ou alguma grande expressão de compaixão, mas rapidamente transformam-se em apenas mais um deserto de desespero. Satanás é irreversivelmente o mestre do fracasso e das tristezas. Ezequiel disse: "Pela multidão das tuas iniquidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu e te tornei em cinza sobre a terra, aos olhos de todos os que te vêm." [Ezequiel 28:18]
Entretanto, apesar de todos seus fracassos, Satanás não desistirá até que seja julgado após a grande demonstração de sua tentativa final de enganar os povos do mundo para receber adoração.
Um 'deus' Que os Homens Perdidos Podem Adorar
Satanás é o único deus que os homem perdidos podem adorar. Toda expressão das religiões e cultos pagãos ou qualquer forma distorcida de cristianismo é uma religião de Satanás. Qualquer que seja o nome dado ao deus dessas religições, a força espiritual que sustenta esse deus é Satanás. Quando os homens corrompem a fé cristã e pregam outro evangelho, a verdadeira personalidade que está por trás da forma é Satanás. Não é de se admirar que Jesus tenha dito: "Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos." [Mateus 24:5]
Satanás não sente constrangimento algum em se apresentar em nome de Jesus. Esse é provavelmente seu maior ato de disfarce quando ele pode se esconder no "maior e mais doce" nome de toda a existência humana. Acredito que esse engano do fim dos tempos deverá ser perpetrada sob o guarda-chuva do nome de Jesus. Satanás irá se apresentar como Deus, mas se esconderá no processo atrás de uma forma híbrida que será chamada de cristianismo bíblico. Essa enganação foi mostrada ao apóstolo João e ele a registrou maravilhosamente bem no livro do Apocalipse. Não é a toa que Satanás odeie o livro do Apocalipse e faáa com que muitos pregadores rejeitem, neguem ou distorçam essa revelação final das Sagradas Escrituras.
Antes de observarmos a "Trindade Profana" que Satanás disfarçará perante o mundo, permita-me listar as quatro razões principais por que os homens rejeitam a Bíblia Sagrada como a revelação final e absoluta. Toda forma de engano começará com uma ou mais dessas rejeições.
1. O mundo odeia a cruz de Jesus Cristo. A cruz é o oposto do viver casual, auto-centrado; a carne está sempre desconfortável diante da cruz.
2. O mundo odeia uma cristandade estreita que afirma exclusividade. Todas as expressões de "fé" devem ser igualmente honradas hoje em dia.
3. O mundo odeia um livro que é perfeito e que não contemporiza. Ele quer uma Bíblia que os eruditos possam dominar ou uma na qual possam "pegar ou largar" as doutrinas que são palatáveis ao indivíduo que se serve do bufê religioso dos nossos dias.
4. O mundo odeia a santidade. Ele quer uma religião que não exija a separação das profanidades e do mundanismo.
Deus, o Pai, dará ao mundo aquilo que o mundo quer - por um breve período de sete anos.
Não questione nem por um instante se nosso Grande Deus é soberano. Satanás receberá permissão para demonstrar suas ilusões e disfarces finais, mas é Deus, o Pai, quem lhe dará a corda para se enforcar. Ninguém pintou um quadro mais estarrecedor do último triunfo de Satanás do que Zacarias, ao profetizar sobre o fim dos tempos, citando as palavras de Deus:
"Eu a farei sair, disse o SENHOR dos Exércitos, e ela entrará na casa do ladrão, e na casa do que jurar falsamente pelo meu nome; e permanecerá no meio da sua casa, e a consumirá juntamente com a sua madeira e com as suas pedras." [Zacarias 5:4]
O Pai Celestial permitirá que Satanás disfarce sua "trindade profana" por sete anos completos. Esse ato de Lúcifer será semelhante à rebelião que ocorreu no céu. Nada do que Satanás já produziu será mais enganador do que aquilo que planeja agora. Será seu ato mais próximo do retrato que vemos em Ezequiel 28. Satanás se apresentará como Deus. Ele produzirá seu próprio "falso cristo" e seu próprio "falso espírito"; será uma reprodução tão perfeita da verdadeira trindade que o mundo [e a igreja apóstata ]correrão maravilhados atrás do dragão. Vamos ler 2 Coríntios para conferirmos uma imagem do poder de Satanás de transformar a si mesmo e seus falsos apóstolos e profetas.
"Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras." [2 Coríntios 11:13-15]
Essa passagem apresenta sucintamente uma verdade de tirar o fôlego. Ela retrata como Satanás pode magicamente metamorfosear a si mesmo e aos seus ministros em uma visão distorcida, com a intenção de enganar. De acordo com o Novo Dicionário Aurélio, o sentido do verbo "transfigurar" é "mudar a figura, a feição, o caráter; transformar; dar uma falsa idéia", etc.
Não subestime o poder de Satanás para apresentar-se como anjo de luz ou mesmo como o "próprio Deus". Quando o Pai permitir que Satanás perpetre sua enganação final, o mundo irá acreditar da mesma forma que um terço dos anjos foi enganado milhares de anos atrás!
Satanás e sua Trindade Profana
O mundo quer um "deus" que todos os perdidos possam se reunir para adorar - baseado naquilo que têm em comum - e Deus permitirá que Satanás lhes dá esse deus! Satanás já deu início a esse plano-mestre e o trabalho de base está progredindo bem e rapidamente. As palavras-chave na maior parte do pensamento teológico atual são "tolerância" e "unidade". Aliada à atitude de tolerância e unidade está uma nova interpreta”cão de muitas das maravilhosas verdades bíblicas. Há uma grande atração para essas falsas idéias teológicas tomando conta das igrejas. Esse é o trabalho de base de Satanás para preparar a igreja para as suas estratégias. E para isso mudaram a interpretação de João 17.
Ele Será Precipitado na Terra
Os anjos de Deus expulsarão Satanás dos céus! Permita-nos ler diversos versos desse retrato da batalha no céu.
"E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos; mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele. E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite... Por isso alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo... E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao remanescente da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo." [Apocalipse 12:7-10,12,17]
Essa cena incrível retrata o ódio sem limites de Satanás, que leva-o a imediatamente planejar uma guerra contra a semente remanescente da mulher vestida de sol, que é identificada em seguida. Ela representa os remanescentes na Terra que agora "guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo." [Apocalipse 12:17]
O verso seguinte revela os atos imediatos de Satanás. Uma besta emerge do mar (que representa as nações gentias) - o Anticristo. O aparecimento dessa besta está clara e diretamente conectado com o próprio dragão. Satanás está agora preparando seu disfarce. Ele não pode apresentar-se ao mundo como o dragão e convencer o mundo a adorá-lo. Ele precisa ter uma face benevolente que o mundo considere palatável. Todos os povos do mundo e todas as principais religiões estão buscando um cristo, um iluminado, um grande messias, um líder carismático. Satanás precisa ter seu cristo - seu "filho" - da mesma forma como Deus, o Pai, enviou Seu Filho unigênito ao mundo.
Satanás Apresenta Seu Falso Cristo ao Mundo
Satanás terá sua falsa trindade como seu ato final de engano. Ele deve iniciar apresentando o falso cristo ao mundo. Observe como a Escritura Sagrada descreve a investida-mestre de Satanás. O apóstolo João teve essa visão do Apocalipse quando estava na praia na ilha do exílio. Ele estava, na verdade, na orla do Mediterrâneo. Aqui estão as palavras dele.
"E eu pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia. E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio." [Apocalipse 13:1-2]
Essa profecia nos diz que Satanás capacita o Anticristo, dando-lhe grande poder e autoridade! Esse poder provêm de Satanás[2Ts 2.9], exatamente como a profecia diz; porém, o Anticristo recebe imediatamente mais autoridade dos governantes humanos que têm agido de comum acordo para preparar o mundo para que o Anticristo possa aparecer. Veja:
"Porque Deus tem posto em seus corações, que cumpram o seu intento, e tenham uma mesma idéia, e que dêem à besta o seu reino, até que se cumpram as palavras de Deus." [Apocalipse 17:17]
Essa passagem afirma claramente que o dragão (Satanás) dê à besta (besta apenas no caráter, não na aparência) seu poder, seu trono e grande autoridade. A besta - o Anticristo - é evidentemente um produto do Diabo. O Anticristo é o sócio de Satanás e será sua identificação para o mundo como uma cópia falsificada do que Jesus Cristo foi para Seu Pai. Vemos o Pai como a imagem expressa no Filho e o resplendor da Sua glória. [Hebreus 1:2-3] Satanás disfarçará esse mesmo conceito como parte de seu engano.
Quando vemos que o Anticristo foi "ferido de morte" e que "sua ferida mortal foi curada" [Apocalipse 13:3], estamos testemunhando o ato que Satanás realizará para tornar o Anticristo uma maravilha mundial. As Escrituras dão poucos detalhes sobre como isso ocorrerá. Será, se dúvida, um milagre maravilhoso e pode ser um tipo de imitação da crucificação e ressurreição. Quando você acopla esse conceito com o retorno dos protestantes e carismáticos à missa católica, essa imagem se torna surpreendente; o mundo poderá ver o aparecimento desse falso cristo disfarçado de Jesus Cristo. Então ele poderá apresentar uma reprodução, uma dramatização gráfica da morte e ressurreição, em que os homens literalmente tomam e comem o pão e o vinho como os católicos fazem diariamente na missa.
Observe que essa profecia afirma que "toda a terra se maravilhou após a besta". A besta ou Anticristo é cuidadoso para dar glória ao dragão porque o verso 4 afirma: "E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?" Essas passagens afirmam claramente que o mundo ficará maravilhado, seguirá o Anticristo e adorará ao dragão - o anti-Deus. As estratégias de Satanás até este ponto serão gloriosamente bem-sucedidas. Ele se esconderá atrás desse falso cristo e permitirá que ele, com toda a sua fachada de glória carismática, oculte a verdadeira face de Satanás. O mundo enlouquecerá atrás dessa falsa expressão de verdadeiro cristianismo. Essa é uma forma híbrida da igreja que o mundo virá a amar e, como a igreja abandonou o "amor da verdade",[2Ts 2.10] o enganador está finalmente conseguindo tecer sua obra-prima.
Mas não para por aqui; Satanás tem mais.
Satanás Apresenta Sua "Falsa Unção", Seu "Falso Espírito", Por Meio do Falso Profeta, o Terceiro Membro da Trindade Pagã
Uma vez que Satanás tenha reproduzido uma falsificação do Senhor Jesus Cristo, ele então fará o mesmo com a verdade do Espírito Santo. Lembre-se que estamos simplesmente contemplando a forma final dessa enganação, uma astuta falsificação que já começou. O fundamento d engano começou com a apostasia da verdade. A grande apostasia tem afetado as igrejas liberais há pelo menos cem anos, mas a apostasia evangélica pentecostal/carismática está na sua terceira década. Atualmente, ela está obscurecendo quase tudo o que a igreja como um todo representa e parece estar muito próxima de atingir seu auge.
Vejamos como o apóstolo João compartilha o drama envolvente conforme foi revelado a ele.
"E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão. E exerce todo o poder da primeira besta na sua presenáa, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada. E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens. E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta." [Apocalipse 13:11-15]
Uma segunda besta agora aparece na enganação de Satanás; essa pessoa - o Falso Profeta - é um produto do falso espírito de Satanás, de uma unção igualmente falsa. Ele é descrito como um "cordeiro com dois chifres", parecendo piedoso e humilde, mas arrogantemente cruel no íntimo do seu coração. Que retrato da falsa unção! Esse mesmo modelo está agora sendo seguido por uma multidão de líderes da "Nova Onda". Eles são humildes quando você concorda com eles, mas tornam-se imediatamente cruéis quando você discorda. Essa falsa unção recai sobre as pessoas como uma rocha, fazendo-as agir de forma a expressar exteriormente a natureza do dragão. Ao invés de uma bela adoração em êxtase diante do Calvário e do Espírito Santo, é uma unção mais parecida com um exército preparando-se para um massacre. De fato, eles admitem isso e se chamam de "Exército de Joel".
Observe que esse "anti-espírito" exerce "todo o poder da primeira besta". Isso, novamente, é a falsificação. Essa falsa unção faz pelo falso cristo o que o Espírito Santo faz por Jesus Cristo. é tudo uma cópia da Trindade Divina. Esse Falso Profeta fará até mesmo com que as pessoas adorem ao Anticristo, e não a si mesmo. Observe que ele engrandecerá a "ferida mortal" que o falso cristo sofreu e utilizará esse evento dramático para induzir à adoração da primeira besta.
Em seguida, o Falso Profeta iniciará sua falsificação do sobrenatural. Ele não será sobrenatural, mas apenas canalizará fortes poderes paranormais, simulando ser um grande profeta cristão. Ele realizará grandes maravilhas e milagres e enganará todo o mundo. Ele até mesmo dará poder a uma imagem do Anticristo e exigirá que todos a adorem. Não é o Anticristo que exigirá que o mundo receba o sinal da besta, mas o Falso Profeta, disseminando sua falsa unção sobre todos os povos da terra.
Essa compreensão deve despertar sua atenção. Embora o mundo cristão esteja identificando a marca da besta que poderá, de fato, usar o biochip ou algum sinal infravermelho sobre a pele, está prestando pouca atenção à falsa unção que está preparando os homens para o sinal verdadeiro. Acredito que haverá uma marca na fronte, ou na mão direita, mas creio que o significado mais profundo é a preparação religiosa que está acontecendo neste exato momento para adorar Satanás como Deus. A marca refletirá um compromisso íntimo de identificação com a falsa trindade e com adoração a Satanás.
Haverá uma espécie batismo, uma iniciação de natureza religiosa, que acompanhará a própria marca. Na verdade, o Falso Profeta preparará os povos do mundo para uma iniciação satânica global que será uma cópia perfeita da iniciação que um novo membro passa em um conciliábulo satânico. Cada pessoa da Terra ouvirá que será "iniciada" em um reino chamado Nova Ordem Mundial. Assim que cada pessoa tiver repetido o juramento satânico, será requerido que receba o Sinal da Besta como um símbolo de sua lealdade ao Anticristo. Toda pessoa que recusar fazer o juramento e receber o sinal será imediatamente decapitada. Ninguém será forçado a aceitar o sinal porque Satanás quer uma adoração voluntária. Esse é o plano ocultista, e encaixa-se perfeitamente na profecia.Quando tentamos identificar o que poderá ser a marca, agimos à frente da revelação de Deus. Entretanto, o microcircuito implantável no ser humano, que agora está sendo divulgado pela Digital Angel parece preencher todos os requisitos do sinal da besta dados em Apocalipse 13:16-18.
A Falsa Trindade
Este cenário será a obra-prima do príncipe das trevas. Ele produziu inúmeros momentos tenebrosos, mas este ofuscará a todos, talvez será até maior que sua rebelião original diante do trono de Deus. Os reis da Terra venderão alegremente suas almas para ele conforme cooperam para realizar as mudanças necessárias para permitir sua ascensão. A igreja que rejeitou a verdade infalível aderirá jubilosa ao falso Pentecostes e aos subprodutos carnais. A igreja remanescente nunca esperou ou desejou o favor do mundo, mas a igreja moderna vê o sucesso e a pompa como o sinal final do "sucesso" e está disposta a fazer nublar a verdade em troca de um reino temporal. Os homens ansiaram por um "deus" que os perdidos possam adorar e servir.
Quando você estuda a história da igreja, fica claro que cada engano e apostasia teve suas raízes na busca por um "deus" que os perdidos pudessem adorar. O Pai misericordiosamente chamou de volta sua igreja da multidão de desvios. Ele tem consistentemente convidado uma igreja relutante ao seu glorioso altar e perdoado nossos muitos erros ao longo do caminho.
Finalmente, o Pai permitirá que Satanás dá ao mundo e à igreja apóstata aquilo que eles têm arrogantemente procurado. Satanás dará ao mundo um deus a quem os perdidos possam se entregar na adoração. Esse falso deus terá um poder irrestrito durante um tempo limitado para apresentar sua falsa trindade a um mundo crédulo e sem discernimento.
Para Onde Essa Falsa Unção e Essa Falsa Doutrina Religiosa Levarão?
Esse aparecimento de uma igreja apóstata [ cujo embrião já está presente nos nossos dias]que corre atrás de manifestações que são comprovadamente satânicas - mais a negação da fé por tantas igrejas evangélicas, mais o liberalismo das igrejas cristãs tradicionais ou históricas - revela um rio terrível de apostasia tão profundo e largo que chega a ser inacreditável. Em nossa opinião, essa apostasia sem paralelos atingiu o ponto em que o Anticristo já pode aparecer.
Com tantas outras profecias apontando na mesma direção, achamos que, se você ouvir atentamente com os ouvidos do discernimento espiritual, poderá escutar o galope dos quatro cavaleiros do Apocalipse!


Ap16 - O Anticristo e o falso profeta

A besta que emerge do mar => o Anticristo
Complementando o estudo do cap 12, vimos claramente lá descrito e identificados, dois grupos distintos de judeus; aqueles descritos como a mulher que fugiu para o deserto (12:5 e 14), e os demais filhos dela (12:17), com quem Satanás fará guerra após o insucesso de tentar derrotar a mulher no deserto. O primeiro grupo, são aqueles que Mt 24:15-22 diz para fugirem, quando virem a abominação entrar no templo (o Anticristo suspendendo as oferendas e querendo ser adorado como Deus). Esses são judeus praticando o judaísmo, os quais Deus preservará para receberem o reino físico de Jesus no Milênio. Já os demais filhos da mulher, citados em Ap 12:17, são os judeus espalhados no mundo, que aceitarão Jesus como Senhor e Salvador, nascerão de novo e manterão o testemunho de Jesus.

Ap 13:1,10
"Vi emergir do mar uma besta, que tinha dez chifres e sete cabeças, e sobre os chifres, dez diademas e, sobre as cabeças, nomes de blasfêmia.
A besta que vi era semelhante a um leopardo, mas tinha como pés de urso e boca como a de leão. O dragão deu a besta seu poder, o seu trono e grande autoridade.
Uma das cabeças da besta parecia ter sofrido um ferimento mortal, mas o ferimento mortal foi curado. Todo mundo ficou maravilhado e seguiu a besta.
Adoraram o dragão que havia dado autoridade à besta, e também adoraram a besta, dizendo: 'Quem é como a besta? Quem poderá guerrear contra ela? .
À besta foi dada uma boca para pronunciar palavras arrogantes e blasfêmias e para exercer autoridade durante quarenta e dois meses.
Ele abriu a boca para blasfemar contra Deus e amaldiçoar-lhe o nome e o tabernáculo, a saber, os que habitam no céu.
Foi-lhe dado poder de guerrear contra os santos e vencê-los. Foi-lhe dada autoridade sobre toda tribo, língua, povo e nação.
Todos os que habitam na terra adorarão a besta, todos cujos nomes não foram escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a criação do mundo.
Aquele que tem ouvidos ouça:
Se alguém há de ir para o cativeiro, para o cativeiro irá. Se alguém há de ser morto à espada, à espada será morto. Aqui estão a perseverança e a fidelidade por parte dos santos".

A besta que sai do mar, simboliza a besta que sairá das nações ou povos ( Is 17:12,13; Ap 17:15).

As 7 cabeças, (Ap 17:9-11) - representam a parte histórica na descrição do Anticristo. São os governos mundiais que existiram na história, sendo o Império Romano o último e do qual sai o Anticristo.

Os 10 chifres, (Ap 17:12) - São os dez reis que estarão unidos à besta no seu governo. Isto no entanto, não significa que somente dez paises formarão o Império Romano nesta última fase; ele terá proporções mundiais. Significa somente que estes estarão no comando do governo, tendo porém o Anticristo como o cabeça do império. Os chifres representam a parte profética da descrição do Anticristo.

Características do reino do Anticristo.


Daniel descreve três animais em 7:4-6

"O primeiro era como leão e tinha asas de águia; enquanto eu olhava foram-lhe arrancadas as asas, foi levantado da terra e posto em dois pés, como homem; e lhe foi dada mente de homem.

Continuei olhando, e eis aqui o segundo animal, semelhante a um urso, o qual se levantou sobre um dos seus lados; na boca, entre os dentes, trazia três costelas; e lhe diziam: Levanta-te e devora muita carne.

Depois disso continuei olhando, e eis aqui outro, semelhante a um leopardo, e tinha nas costas quatro asas de ave; tinha também este animal quatro cabeças, e foi-lhe dado domínio".


O primeiro animal, o leão, representa o império babilônico de Nabucodonosor com todo o seu poderio e força;

O segundo o império medo-persas que na história se caracterizaram pela brutalidade, que é o urso com um dos lados maior;

O terceiro, o leopardo, que é o mais veloz, recebe quatro asas, que é o império Grego de Alexandre o Magno.

Em todos eles trata dos reis e seus reinos como uma figura só.


É assim também com a quarta figura. O texto fala de apenas quatro reinos, porque Deus revelou a Daniel tudo em relação a Israel. A Babilônia foi o primeiro reino a conquistar Israel, e Deus revelou a Daniel, que dali para frente, quatro impérios os dominariam.

Na interpretação do sonho de Nabucodonosor (Dn 2:33),

"As pernas, de ferro, os pés, em parte ferro, em parte, de barro".

Há essa divisão das pernas para os pés. As pernas representam a primeira parte do Império romano, essa que conhecemos da história.
Os pés ainda estão no futuro, e os dez chifres correspondem aos dez artelhos, dez reis que Daniel interpretou claramente. Os pés de barro e ferro, querem dizer que se por um lado é forte, e terá a mesma força do império romano, por outro é fraco, porque são reinos independentes. O ferro continua, porque há um homem forte, que será o cabeça, e dominará sobre os dez reinos.

As descrições que temos do Anti-Cristo começam em Dn 7:7,8

"Depois disto, eu continuava olhando nas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrível, espantoso e sobremodo forte, o qual tinha grandes dentes de ferro; ele devorava, e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os outros animais que apareceram antes dele e tinha dez chifres.

Estando eu a observar os chifres, eis que entre eles subiu outro pequeno, diante do qual três dos primeiros chifres foram arrancados; e eis que nesse chifre haviam olhos, como os de homem, e uma boca que falava com insolência".
Dn 7:24 "Os dez chifres correspondem a dez reis que se levantarão daquele mesmo reino; e depois deles, se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis".
Dn 8:24 "Grande é seu poder, mas não pela sua própria força; causará estupendas destruições, prosperará e fará o que lhe aprouver.; destruirá os poderosos e seu povo santo".
Dn 9:27 "Ele fará firme aliança com muitos por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele".
2 Ts 2:3,4 "Não deixe que ninguém os engane de modo algum. Antes daquele dia virá a apostasia e, então será revelado o homem do pecado, o filho da perdição. Este se opõe e se exalta acima de tudo que se chama Deus ou é objeto de adoração, a ponto de se assentar no santuário de Deus, proclamando que ele mesmo é Deus".
Ap 17: 8,12 "A besta que viu era e não é, está para subir do abismo e caminha para a perdição. Os habitantes da terra, cujos nomes não estão escritos no livro da vida desde a criação do mundo ficarão admirados quando virem a besta, porque ela era, agora não é, entretanto virá.
Aqui se requer mente sábia. As sete cabeças são sete montes sobre as quais está sentada a mulher.
São também sete reis. Cinco já caíram, um ainda existe, e outro ainda não surgiu; mas quando surgir, deverá permanecer durante pouco tempo.
A besta que era e agora não é, é o oitavo rei. Ele pertence aos sete e caminha para a perdição.
Os dez chifres que você viu são dez reis que ainda não receberam reino, mas que por uma hora receberão autoridade como reis, juntamente com a besta.
Eles têm um único propósito, e darão seu poder e sua autoridade à besta".
Daniel, em sua descrição, não fala de sete cabeças, ele apenas dá uma parte da informação. Ele fala de dez chifres, e depois surge outro pequeno mais forte, diante do qual caem três.
Nós vemos em Apocalipse, que os dez chifres são dez reinos, e esses reinos continuam sob o Anticristo.
Os dez diademas são os dez reis, que dão a autoridade ao Anticristo. E fala também das sete cabeças, e ele é o oitavo, saído das sete.
O cap 17 de Apocalipse é importante para entendermos a figura do Anticristo. Quando se refere a besta que era, não é e que há de ressurgir, está tratando do Império Romano, que era, não é, e vai ressurgir do abismo pois é obra de Satanás.
Sete cabeças são sete montes, e montes quer dizer sete reis e reinos. Desses cinco caíram, um sexto existe, o outro não chegou e ele mesmo será o oitavo. Isso quer dizer que na história existiram sete impérios mundiais, e dos sete saiu o oitavo que é o império do Anticristo.
Os impérios foram: Egípcio, Assírio, Babilônico, Medo-Persa, Grego, Romano. Desses, os cinco primeiros já passaram.
Um ainda existe, o Romano na primeira fase.
O outro que não chegou, é o Romano na segunda fase, e durará pouco, sete anos, perto do que durou em sua primeira fase, que foram mais de seiscentos anos.
Quando estiver formado este império, surgirá o oitavo, que surge do sétimo, nas mesmas formas, e fará um reino próprio, com sua marca.
Os dez chifres são os dez reis, que ainda não apareceram, mas quando surgirem reinarão junto com a Besta, mas por muito pouco tempo.
É como vemos a Comunidade Econômica Européia. Vários países, com um único propósito, tendo um chefe como cabeça.
De volta ao cap.13, o texto fala que uma das cabeças da Besta estava como que ferida mortalmente.
Essa ferida, muitos interpretam como uma imitação que ele faz da morte e ressurreição de Cristo. Só que Satanás não tem poder para ressuscitar (Jo 5:28,29; Jó 14:12; Ap 20:11-14).
Vimos que cabeças são reinos, mas esse reaparecimento pode ser fazer aparecer algo que parecia morto.
O Império Romano não morreu, está presente no direito, literatura, política, costumes que ficaram. Está como adormecido, mas está vivo, e quando ele ressurgir como uma cabeça imperial, dominando tudo, isso é ressuscitar como era, só que com países independentes, mas o domínio é o mesmo. E o mundo se admirará, e aceitará essa solução. E todos verão na Besta, a ação de Satanás e o adorarão.
Quando o mundo questiona:
"quem é semelhante ao Besta?", significa poder religioso, já que Satanás quer ser semelhante a Deus.
"E quem pelejará contra ela?", poder político, ninguém é capaz de sobrepujar seu domínio.
No entanto, esse poder foi dado e permitido por Deus, mostrando o seu domínio e soberania. É um consolo aos que estão passando pela tribulação mostrando a justiça de Deus: 'se alguém leva para cativeiro, vai para o cativeiro. Se alguém matar à espada, pela espada será morto'.

A besta que emerge da terra => o falso profeta
Ap 13:11,18
"Então vi outra besta que saía da terra, com dois chifres como cordeiro, mas que falava como dragão.
Exercia toda a autoridade da primeira besta, em nome dela e fazia a terra e seus habitante adorarem a primeira besta, cujo ferimento mortal havia sido curado.
E realizava grandes sinais, fazendo descer fogo do céu à terra, à vista dos homens.
Por causa dos sinais que lhe foi permitido realizar em nome da primeira besta, ela enganou os habitantes da terra. Ordenou-lhes que fizessem uma imagem em honra da besta que fora ferida pela espada e contudo revivera.
Foi-lhe dado poder para dar fôlego à imagem da primeira besta, de modo que ela podia falar e fazer que fossem mortos todos os que se recusassem a adorar a imagem.
Também obrigou a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca na mão e na testa,
para que ninguém pudesse comprar ou vender, a não ser que tivesse a marca, que é o nome da besta ou o número do seu nome.
Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Seu número é seiscentos e sessenta e seis".
Lemos aqui a descrição da segunda besta, que é chamada também de o Falso Profeta (Ap 16:13 e 19:20) por sua
atuação no campo religioso.
Esse provavelmente sairá de Israel. A primeira saiu do mar, que significa as nações. A segunda da terra, e por muitas vezes, terra é usada para designar Israel ( Mt 2:21; Sl 44:3; Gn 12:1; Is 33:17; Hb 11:9). A definição diferenciada para Israel (terra) e para as nações (mar), está de acordo com a diferenciação que Deus fez a partir da criação da nação de Israel, onde Deus passou a ver dois "tipos" de homens na terra:
Israel e as demais nações; judeus e gentios; judeus e gregos.
Com a formação da igreja, Deus uniu novamente os dois povos em uma só nação, a nação santa, a dos filhos de Deus. (Ef 2:11-22 ; I Pd2:9-10).
Ele possui dois chifres como de cordeiro, mostrando que ele vem na área religiosa, já que no restante do capítulo que ele está ligado a essa área. A sua aparência é de cordeiro, mansa e inocente mas quando abre a boca, mostra de quem vem a sua inspiração, ele fala como dragão => Satanás (Mt 7:5).
Podemos crer, que ao aparecer diante da nação de Israel, fazendo sinais e maravilhas, os judeus o receberão como Elias (Ml 4:4-6), por isso é chamado de Falso Profeta.
Esse Falso profeta, por nenhum momento se exalta, mas leva toda terra a adorar a Besta, fazendo papel do Espírito Santo.
O Falso Profeta manda construir uma imagem, que será colocada no templo e a ela comunica fôlego, para que falasse e fizesse morrer a todos que não o adorassem.
A ninguém será permitido comprar, vender se não exibir a marca na testa ou na mão. Os homens serão forçados a se identificarem com a besta, como se fossem"escravos marcados".
O número da Besta é o 666, e é a representação da trindade satânica. O número de Deus é o 7, e Satanás quer ser igual, mas não consegue, por isso ele cria um número para imitar, sem contudo ser igual; e esse número já está presente entre nós, são os códigos de barras impressos em diversos produtos. Essa é uma tendência mundial.
As três barras, do início, do meio e do fim, que não possuem numeração, são o número 666. E fechamos neste capítulo a trindade satânica, tendo o Dragão como Deus, Anticristo no lugar de Cristo e o Falso Profeta, fazendo pelo Anticristo o que o Espírito Santo faz por Jesus.
“O GOVERNO DO ANTICRISTO E O FALSO PROFETA”

Texto Básico: Ap 13:1-18
Versículo chave:
“Se alguém tem ouvidos, ouça” - Ap 13:9
Fala da aparição das duas bestas: a que emerge do mar e a que emerge da terra. Representam elas o poder tirânico que irá se manifestar logo após o arrebatamento da Igreja naquele dia glorioso para os filhos de Deus.

I – A BESTA QUE EMERGE DO MAR
Ap 13:1-10

Começa o capítulo 13 dizendo o seguinte: “Vi emergir do mar uma besta que tinha dez chifres, dez diademas e, sobre as cabeças, nomes de blasfêmias”.
1. “Emergir do mar” significa sair do meio das nações. Muitas vezes a Bíblia se refere aos povos e nações em linguagem figurada, usando o mar para representá-los. Conclui-se que vai surgir um grande chefe político que comandará uma “Confederação de Reinos”, representada pelos dez chifres, que na profecia de Daniel é representada pelos dez dedos da estátua sonhada por Nabucodonosor (Dn 2).
2. Chifres, na Bíblia, significa poder, autoridade. Sendo assim, cada governo da Confederação de Reinos terá poder na área de seu domínio, porém haverá, quem sabe, na área econômica, um poder central. Cremos que a profecia está caminhando para seu cumprimento, pois é sabido que existe um plano estabelecido para a unificação da Europa (área do antigo Império Romano) e de fato já existe lá uma só moeda – o euro.
3. As sete cabeças representam as sete colinas de Roma, bem como sete reis (Ap 17:9). Será, portanto, em Roma a sede do governo do Anticristo.
4. Os diademas representam o poder dos governantes confederados que estão subordinados economicamente à besta. O interesse e propósito destes governantes é dar à besta toda autoridade, e tudo farão para que isso aconteça.
5. A ferocidade da besta é representada pelo leopardo, urso e leão (v.2). Esta descrição representa os três impérios anteriores que foram inseridos no antigo Império Romano – grego, persa e babilônico.
a. Grego: representa o leopardo (Dn 7:6), rápido, veloz, conquistador e incansável. O anti-cristo terá essas qualidades em grau supremo.

b. Persa: os pés do urso (Dn 7:5), dando as idéias de força, estabilidade e consolidação. O anti-cristo também incorporará esses aspectos em seu poder.

c. Babilônico: A boca de leão (Dn 7:4), subentendendo ruína ameaçadora, rugidos de blasfêmias, despedaçamento carniceiro, perseguições e matança. O anti-cristo será o possuidor supremo dessas qualidades.
6. A cabeça golpeada de morte e sua cura (v.3) falam da queda do antigo Império Romano e sua ressurreição, quando será governado pelo anticristo (a “besta”).
7. Um governo sob o poder satânico (v.4). O dragão mencionado é o diabo, sedutor das nações (Ap 20:10).
8. 42 meses (v.5). Esta referência fala do tempo em que a besta vai exercer seu poder tirânico. Estes 42 meses representam os três anos e meio da última semana de Daniel (Dn 9:27).
9. O Anticristo (vs.6 e 7) tudo fará para apagar o nome de Deus dentre os homens. Moverá perseguição àqueles que se converterem no período da tribulação (Ap 7: 13-17).
Eis, portanto, a descrição que o apóstolo João recebeu do Senhor a respeito das coisas que “hão de acontecer”. Haverá, pois, o surgimento de uma confederação de Reinos, cujo chefe supremo será a besta que há de emergir do mar.

II – A BESTA QUE EMERGE DA TERRA
Ap 13: 11-18

O verso 11 começa com a seguinte expressão: “Vi ainda outra besta emergir da terra; possuía dois chifres, parecendo cordeiro, mas falava como dragão”. Trata-se de um personagem que aparecerá imitando a Cristo (o Cordeiro de Deus). Porém sua fala é de origem diabólica (dragão). Os dois chifres representam um duplo poder político-religioso. Deverá surgir da terra de Israel. Trata-se do falso profeta (Ap 19:20). Este estará ligado à besta que emergiu do mar e tudo fará para que sua autoridade seja mantida. No v.12 lemos o seguinte: “Exerce toda a autoridade da primeira besta na sua presença. Faz com que a terra e seus habitantes adorem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada” (Império Romano restaurado).
Será nesta época que se cumprirá o que o Senhor Jesus predisse em Mt 24:15. No templo restaurado no local daquele que Salomão construiu, será introduzida pelo falso profeta a imagem do Anticristo (a primeira besta) para adoração. Os vs. 13 a 15 bem falam destes acontecimentos previstos. Será nestes dias de imposição que se cumprirá o que Zacarias registrou em sua profecia (Zc 12:10). O Senhor derramará espírito de graça e de súplica sobre os judeus (habitantes de Jerusalém) para que se convertam Àquele que traspassaram um dia quando clamaram: “Crucifica-o! Crucifica-o!” (Lc 23:21).
Os vs 16 e 17 falam de um cadastramento que haverá, quando será exigido de todos, para comprar e vender, que recebam o sinal da besta, na mão ou na testa. Muitos irão rejeitar esta imposição. Por isso serão perseguidos e mortos (Ap 7:9-17).


III – O NÚMERO DA BESTA
Ap 13:18

Muito se fala sobre o número da besta, que é 666. O número 7 na Bíblia representa perfeição e o número 6, imperfeição. 666 fala de uma trindade imperfeita: o dragão, o Anticristo (primeira besta) e o falso profeta (segunda besta).
O mundo, por um período de tempo (sete anos), estará sob o domínio do mal. Não podemos fazer afirmações precipitadas quanto a este personagem que terá como número de sua identidade o 666. Mas isto é certo: aparecerá este chefe político-religioso na face da terra. Virá o Império Romano restaurado (Dn 9:26). Perseguirá Israel e matará suas duas testemunhas (Ap 11:7). Finalmente será destruído (II Ts 2:8).
Queremos mais uma vez enfatizar o fato de que quando estas coisas acontecerem, nós, como Igreja do Senhor Jesus Cristo, já estaremos em Sua gloriosa companhia, desfrutando das bodas do Cordeiro.



Apocalipse 13.
E eu pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia.
“Está besta tem similaridade com o dragão que nós vimos no capitulo doze, o dragão que é o diabo o satanás é o anti Deus Pai, a besta que emerge do mar é o anti Deus filho e a besta que emerge da terra é o anti Espírito Santo, nós temos uma trindade satânica, diabólica”.
“O dragão a besta que emerge do mar ou se você preferir o anticristo, e a besta que emerge da terra se você preferir o falso profeta, essas três personalidades do inferno, essas três pessoas mais importantes do inferno se manifestam na terra”.
2. E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio.
“Quer dizer o mesmo que fez o Deus Pai, o Deus filho entregando toda autoridade ao Senhor Jesus, também o diabo entrega grande autoridade, entrega o seu trono e o seu poder a besta que emerge do mar, ou seja, o anticristo, naturalmente o diabo tem um projeto para destruir as pessoas, então ele usa a besta que emerge do mar, ou seja, o anticristo”.
3. E vi uma das suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta.
“Uma das cabeças da besta que emerge do mar ou o anticristo, foi golpeado mortalmente, porém foi curada e toda terra se se maravilhou, segundo a besta, é claro que aqui temos um simbolismo, nós temos um simbolismo que é o anticristo que terá um domínio grande sobre a terra, eu creio em dez blocos, o mundo está se formando em blocos o bloco europeu, o bloco andino, o bloco americano, nós temos a bloco da América do sul, em fim nós temos vários blocos no mundo se formando e isso tem sido justamente uma preparação para a manifestação do anticristo que será o cabeça, ele vai encabeçar esses blocos”.
“Eu acredito que se refere esse chifre, que chifres quer dizer autoridade, o profeta Samuel foi ungir Davi e tinha azeite dentro do chifre, justamente ele foi ungido com o Espírito Santo e autoridade de Deus, esse chifre aqui quer dizer autoridade, autoridade que ele tinha sobre aquelas nações, ou aqueles blocos de nações formados”.
E vi uma das suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta, “talvez seja um dos blocos ser destruído economicamente e a besta então vem e resolve o problema, quer dizer cura o problema daquele bloco, e ai conseqüentemente todo o mundo vai achar que aquele homem o anticristo, é realmente o homem que o mundo deveria ter recebido a mais tempo, por isso diz que toda a terra se maravilhou após a besta”.
4. E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder, e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?
“A besta vem para glorificar o dragão, ou seja, o diabo, e também adoraram a besta dizendo quem é semelhante a besta, quem pode pelejar contra ela?”.
5. E foi-lhe dada uma boca, para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu se lhe poder para agir por quarenta e dois meses.
“Exatamente a metade da grande tribulação, nós teremos na grande tribulação sete anos, três anos e meio será o reinado ou império do anticristo que vai se manifestar como precursor da paz, e os outros três anos e meio vão ser exatamente os anos de juízo e totalizando nós teremos sete anos de grande tribulação, é assim que a maioria dos autores ou interpretes do apocalipse crêem”.
6. E abriu a sua boca em blasfêmia contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu.
“Nós não podemos esquecer que a igreja aqui não está mais vivendo na terra, a igreja já foi arrebatada, quer dizer aqueles que fazem parte da igreja já estão com Deus, e muitos iram se converter durante a grande tribulação, e durante a grande tribulação quando eles iram se converterem eles vão pagar com a própria vida, e vai, ser decapitado por causa da fé no Senhor Jesus, por causa da conversão, eu creio que muito mais serão convertidos durante a grande tribulação, do que com a pequena tribulação que nós vivemos hoje”.
A pessoa se acomoda, normalmente o ser humano se acomoda na fé e somente quando vem a perseguição implacável é que faz reagir aquilo que ela tem no seu coração à fé.
E abriu a sua boca em blasfêmia contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu, “aqui o anticristo vai se manifestar realmente como anticristo, dizendo eu sou mesmo contra Jesus, eu sou do diabo, e eu vim aqui para isso mesmo, quer dizer ai ele vai se manifestar de fato e de verdade, ai é que ele vai começar a perseguir os cristãos, porque os primeiros três anos e meio serão anos de muita paz e muito engano, aliais é o que nós temos visto hoje muito engano no meio evangelho”.
7. E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu se lhe poder sobre toda tribo, e língua, e nação.
“Quer dizer ele pelejou contra os santos, pelejou contra aqueles que estavam se convertendo e os venceu, quer dizer a morte desses santos certamente é para glória de Deus e eles vão ter que pagar com a própria vida para alcançar a vida eterna”.
8. E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.
“Todo ser humano que habita na terra vai adorar a besta, vai adorar o anticristo, aqueles cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo”.
9. Se alguém tem ouvidos ouça.
10. Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto.Aqui está a paciência e a fé dos santos.
“Aqui está a perseverança e fidelidade dos santos, nós temos aqui nos dez primeiros versículos, nós temos a identificação do anticristo, o seu trabalho, a sua atividade, nós temos os santos que vão sofrer e ser penalizados nas suas mãos e é isso que aguarda para aqueles que não forem arrebatados”.
A Besta Emerge do Mar (Apocalipse 13:1-10)
No capítulo 13, conhecemos os dois principais aliados do dragão. No estudo deste capítulo (esta lição e a próxima), devemos lembrar que a mensagem foi revelada aos cristãos do primeiro século, especificamente aos discípulos na Ásia que viviam sob o domínio romano. Ligando esta personagem com as profecias de Daniel, podemos ver o poder do governo romano para perseguir os santos. Na identificação desta besta e dos demais aliados, percebemos que o poder do diabo contra os cristãos que receberam o Apocalipse foi exercido por meio de forças humanas.
13:1 – Vi emergir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças e, sobre os chifres, dez diademas e, sobre as cabeças, nomes de blasfêmia.
Vi emergir do mar: O mar, aqui, traz o mesmo significado de várias passagens do Velho Testamento. Ele representa as nações ou a sociedade humana. Em Salmo 65:7, o “rugir dos mares” é igual ao “tumulto das gentes”. Outras passagens usam a mesma linguagem: “Ai do bramido dos grandes povos que bramam como bramam os mares, e do rugido das nações que rugem como rugem as impetuosas águas!” (Isaías 17:12). “Mas os perversos são como o mar agitado, que não se pode aquietar, cujas águas lançam de si lama e lodo” (Isaías 57:20). “...a abundância do mar se tornará a ti, e as riquezas das nações virão a ter contigo” (Isaías 60:5). Jeremias falou do castigo da Babilônia, o poder imperial de sua época que dependia das nações que ela dominava: “Ó tu que habitas sobre muitas águas, rica de tesouros! Chegou o teu fim, a medida da tua avareza” (Jeremias 51:13). Quando povos sujeitos se rebelaram contra o império, a Babilônia foi inundada pelo mar: “Como se tornou Babilônia objeto de espanto entre as nações! O mar é vindo sobre Babilônia, coberta está com o tumulto das suas ondas.... porque o SENHOR destrói Babilônia e faz perecer nela a sua grande voz; bramarão as ondas do inimigo como muitas águas, ouvir-se-á o tumulto da sua voz” (Jeremias 51:41-42,55). Esta besta surge do mar. Ela acha sua base de poder nas nações, na sociedade dos ímpios. Observe o contraste entre este servo do diabo que sobe do mar, e o anjo forte de Deus que desceu do céu e ficou em pé sobre a terra e o mar (10:1-2).
Esse entendimento é apoiado pelo trecho do Antigo Testamento mais importante na interpretação da besta do mar – Daniel 7. A visão de Daniel começa com esta descrição: “Eu estava olhando, durante a minha visão da noite, e eis que os quatro ventos do céu agitavam o mar Grande. Quatro animais, grandes, diferentes uns dos outros, subiam do mar” (Daniel 7:2-3). Veremos mais sobre os quatro animais nos comentários sobre os próximos versículos. Por enquanto, precisamos observar que o mar, mais uma vez, representa as nações ou os povos, especialmente o mundo dos ímpios.
Uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças: O significado dos chifres e das cabeças será explicado em mais detalhes no capítulo 17. Podemos ver a força ou o poder da besta nos chifres, e a sua inteligência ou astúcia nas cabeças. Nesta descrição, já notamos a semelhança da besta com o dragão (12:3). O poder desta besta depende do diabo, o Adversário do povo de Deus.
Sobre os chifres, dez diademas: O dragão tem diademas sobre as sete cabeças. A besta tem diademas sobre os chifres, que serão identificados como reis que reinariam com a besta por pouco tempo (17:12).
Sobre as cabeças, nomes de blasfêmia: A besta é inimiga de Deus e do povo do Senhor. Exalta-se contra Deus com arrogância, mostrando nomes de blasfêmia e irreverência. Como as cabeças serão identificadas como reis (17:9), entendemos a arrogância de reis que se exaltam contra Deus, até aceitando a adoração como deuses. Veremos neste e nos próximos capítulos mais evidências que estes reis sejam imperadores romanos.
13:2 – A besta que vi era semelhante a leopardo, com pés como de urso e boca como de leão. E deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade.
A besta que vi era semelhante a leopardo, com pés como de urso e boca como de leão: Este versículo ajuda a entender a aplicação principal do livro para os leitores originais. Esta descrição da besta do mar tem uma forte ligação, obviamente, com Daniel 7. Antes de continuar aqui, voltemos a observar alguns fatos importantes nessa profecia de Daniel, uma visão que o profeta teve no sexto século a.C., perto do final do império babilônico. Como na profecia anterior relatada em Daniel 2, esta falou de quatro reinos. Três destes reinos são identificados por nome em Daniel (comparando capítulos 2, 7 e 8): ➊ Babilônia, ➋ Medo-Pérsia, ➌ Grécia. O quarto reino não é chamado por seu nome, mas os outros detalhes das profecias e da história nos levam a conclusão de que seja ➍ Roma.
Daniel viu quatro animais subirem do mar. Entre outras características, ele descreveu traços de ➊ leão, ➋ urso, ➌ leopardo e ➍ um animal diferente, terrível e feroz com 10 chifres. Os quatro animais se levantaram numa sucessão, representando os quatro impérios já citados.
Eu acredito que Daniel e João viram os mesmos monstros, mas de pontos de vista bem diferentes. Quando João teve sua visão, a boa parte da mensagem de Daniel já havia sido cumprida. Os primeiros três reinos já haviam caído, e o quarto, Roma, dominava o mundo. Da perspectiva de João, uma única besta tinha características de todos os animais que Daniel viu mais de 600 anos antes. É como se o urso tivesse devorado o leão, assim incorporando alguns traços deste. Quando o leopardo devorou o urso, assumiu algumas características dos dois. Por último, o animal terrível e diferente devorou o leopardo, e passou a refletir algumas qualidades de todos os predecessores. Daniel viu os quatro animais como indivíduos. Ele disse que perderiam o seu domínio, mas que ainda viveriam por algum tempo (Daniel 7:12). João viu uma só besta com algumas características dos impérios anteriores. Continuam vivos porque fazem parte do quarto. Assim, João cita os mesmos animais do mais recente (o reino atual quando ele escreveu) ao mais antigo.

Daniel profetizou sobre os quatro reinos, mas enfatizou o estabelecimento do domínio do Senhor na época do quarto. Disse que o quarto reino, e especificamente o seu décimo rei, seria um reino blasfemador que perseguiria os santos “por um tempo, dois tempos e a metade de um tempo”, antes da vitória total dos “santos do Altíssimo” (Daniel 7:23-27).
A mensagem de João nos próximos capítulos é uma atualização e ampliação da profecia de Daniel. Ele não precisa falar sobre os primeiros três reinos, pois já passaram. Ele escreveu aos santos que viviam na época do quarto animal, a besta do mar, o império romano. Os cristãos que receberam o Apocalipse veriam logo o décimo rei se levantar contra os fiéis. Eles precisavam do consolo de saber que a profecia de Daniel não havia falhado, e que a vitória final viria logo depois da angústia iminente.
E deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade: Há uma ligação fundamental entre o poder do império romano e o diabo. O poder do grande e irreverente perseguidor na terra vem de Satanás. O governo romano se tornou um instrumento na mão do dragão quando este foi pelejar com os descendentes da mulher (12:17). Nos aspectos espirituais de sua batalha, ele teve o apoio de seus gafanhotos e anjos. Na batalha terrestre, ele conta com o apoio do poder governante, o próprio império romano. Em qualquer situação, ele age na esfera limitada pelo domínio absoluto de Deus.
13:3 – Então, vi uma de suas cabeças como golpeada de morte, mas essa ferida mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou, seguindo a besta;
Vi uma de suas cabeças como golpeada de morte, mas essa ferida mortal foi curada: As cabeças são reis (17:9). Um dos reis foi golpeado de morte. Este golpe mortal atinge a besta (13:12) e seu poder de perseguir e destruir os santos. Considerando as cabeças como reis da besta ou império perseguidor, a morte de uma cabeça seria o fim da perseguição daquele rei, talvez pela morte do próprio imperador. Quando surgir um outro rei perseguidor, seria como a cura da ferida da besta. Como já comentamos que esta visão é explicada melhor no capítulo 17, veremos que cinco reis já caíram, e que João escreveu antes de emergir um oitavo rei “que procede dos sete” (17:11). A força perseguidora diminuiu, temporariamente, mas ainda surgiria com grande intensidade, como se fosse a ressurreição da cabeça opressora.
E toda a terra se maravilhou, seguindo a besta: Demonstrações de poder ganham a admiração do mundo. As pessoas podem ser persuadidas pela autoridade de líderes, governos, etc., ou podem simplesmente seguir por intimidação, por causa do medo do poder dos dominadores. O poder de realmente ressuscitar os mortos pertence a Deus, não ao diabo. Mas, ele pode enganar pessoas “com todo poder, e sinais, e prodígios de mentira” (2 Tessalonicenses 2:9-10). Neste caso, não precisa ressuscitar uma pessoa; ele apenas dá nova vida à causa do governo maligno na perseguição dos santos. O mundo acha que a besta ganhará, e se maravilha. Foi isso que aconteceu no intervalo antes da sétima trombeta. A besta mostrou seu poder e o mundo participou da festa. Infelizmente para eles, a festa não durou (11:7-13).
13:4 – e adoraram o dragão porque deu a sua autoridade à besta; também adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem pode pelejar contra ela?
E adoraram o dragão porque deu a sua autoridade à besta: Para o mundo, demonstrações de poder são provas do favor de um deus e, por isso, motivos para louvá-lo (Juízes 16:23-24). Qualquer vitória pode ser interpretada como evidência da impotência do “deus” do inimigo (Isaías 36:18-20). A besta recebeu seu poder do dragão, até dando nova vida ao poder perseguidor. O mundo admira tal poder e adora o dragão.
Também adoraram a besta: A própria besta, o governo romano, recebe a adoração do povo.
Quem é semelhante à besta?: Que blasfêmia! O salmista disse ao Senhor: “Ora, a tua justiça, ó Deus, se eleva até aos céus. Grandes coisas tem feito, ó Deus; quem é semelhante a ti?” (Salmo 71:19). São palavras de exaltação devidamente oferecidas a Deus. Mas as mesmas palavras, aplicadas à besta, são blasfêmia inegável.
O contraste nos conflitos no Apocalipse é claro. Na batalha no céu, o exército dos fiéis é liderado por Miguel, cujo nome quer dizer “Quem é semelhante a Deus?” (12:7). Mas os povos do mundo, tão impressionados com o poder imperial, negam o poder de Deus e perguntam: “Quem é semelhante à besta?”.
Quem pode pelejar contra ela?: Para os cristãos que receberam este livro, a resposta seria fácil. A besta recebe seu poder do dragão, e o dragão foi claramente derrotado nas batalhas do capítulo 12. Os vencedores daquele capítulo podem não somente pelejar, mas certamente podem vencer!
Mas os povos que admiram a besta não enxergam a luz da revelação dada aos servos do Senhor. Para eles, não há poder superior ao do diabo. Suas palavras arrogantes são um desafio que será respondido nos próximos capítulos, da mesma maneira que o desafio de Rabsaqué foi respondido pelo poder de Deus (2 Reis 18-19).
13:5 – Foi-lhe dada uma boca que proferia arrogâncias e blasfêmias e autoridade para agir quarenta e dois meses;
Foi-lhe dada uma boca que proferia arrogâncias e blasfêmias: Novamente, o texto mostra a arrogância da besta. Ela tem nomes de blasfêmia nas cabeças (13:1) e recebe a adoração dos povos (13:4). Aqui, ela tem condições de se exaltar e de falar blasfêmias.
E autoridade para agir quarenta e dois meses: A imagem da besta é assustadora. O poder dela é tão grande que a terra toda vai atrás, dando-lhe honra. O mundo pode ser enganado, mas os leitores do Apocalipse sabem que o poder dela é limitado pelo mesmo Senhor que já venceu o dragão. Ela terá autoridade para agir por um tempo limitado (42 meses – veja 11:2).
13:6 – e abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para lhe difamar o nome e difamar o tabernáculo, a saber, os que habitam no céu.
E abriu a boca em blasfêmias contra Deus: A ousadia da besta não tem limites. Ela abre a boca para falar contra o próprio Senhor. O décimo primeiro rei de Daniel 7:24-25 faria isso. Vamos ver ainda a relação entre aquele rei e a besta do mar.
Para lhe difamar o nome: O nome representa a pessoa. O nome de Jesus salva no sentido que o próprio Jesus salva (Atos 4:12; 13:23). Difamar o nome de Deus é atacar o próprio Senhor.
E difamar o tabernáculo, a saber, os que habitam no céu: Difama, também, o povo de Deus. O tabernáculo aqui não é uma estrutura material (nem o tabernáculo, nem o templo). É o povo de Deus, os que habitam no céu. [Veja o comentário ao lado sobre os que habitam no céu e os que habitam na terra.]
13:7 – Foi-lhe dado, também, que pelejasse contra os santos e os vencesse. Deu-se-lhe ainda autoridade sobre cada tribo, povo, língua e nação;
Foi-lhe dado, também, que pelejasse contra os santos e os vencesse: Já tivemos uma previsão disso no vislumbre do trabalho da besta em 11:7. Ainda teremos descrições mais completas destas pelejas nos próximos capítulos. Aqui o comentário é rápido. A besta luta contra os santos e é vitoriosa. Da mesma maneira que o capítulo 11 nos avisou do ataque e até da vitória da besta, o mesmo capítulo nos assegura que a história não termina aqui. A besta vence . . . por enquanto!
Deu-se-lhe ainda autoridade sobre cada tribo, povo, língua e nação: Como sempre, a autoridade do diabo e dos seus servos é limitada pelo poder superior de Deus. A besta recebeu permissão para dominar os povos ímpios. Mas a autoridade da besta, como a do próprio dragão, é definida pelo Soberano Deus (Daniel 4:32).
13:8 – e adorá-la-ão todos os que habitam sobre a terra, aqueles cujos nomes não foram escritos no Livro da Vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.
E adorá-la-ão todos os que habitam sobre a terra: Quando a besta matou as duas testemunhas, os povos fizeram sua festa de vitória (11:7-10). Aqui ela se pôs contra Deus e contra o povo do Senhor, e o mundo dá louvor à besta.
Aqueles cujos nomes não foram escritos no Livro da Vida: Como observamos acima, os habitantes da terra, aqui, são os ímpios. O contraste entre esta categoria e “os que habitam no céu” é evidente. Sobre o significado do “Livro da Vida”, veja os comentários em 3:5.
Do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo: A besta pode exercer autoridade sobre tribos, povos e nações. Ela pode ser adorada pelos ímpios. Pode pelejar contra os santos e os vencer. Mas o Livro da Vida está no poder do Cordeiro (veja comentário sobre o Cordeiro em 5:6). Como foi frisado na visão das duas testemunhas no intervalo no capítulo 11, o poder do diabo e de seus aliados não vai além da morte. Podem pelejar, vencer e matar. Mas o Livro da Vida e o poder para garantir a ressurreição e a vida eterna pertencem exclusivamente ao Senhor. O Cordeiro tira pecados e salva os fiéis das conseqüências do pecado. Ele foi morto, conforme o plano eterno de Deus (Efésios 1:3-8), para a salvação dos homens. Ele foi morto, mas está vivo (1:18; 5:6). Mostrou seu poder sobre a morte e garante a vida eterna aos santos fiéis.

13:9 – Se alguém tem ouvidos, ouça.
Se alguém tem ouvidos, ouça: Preste atenção. É importante! Esta frase aparece oito vezes no livro – em cada uma das cartas às sete igrejas e aqui. Sempre tem o propósito de chamar atenção à mensagem do Senhor, e incentivar os ouvintes a tomarem a decisão certa em resposta à palavra. O versículo que segue contém uma mensagem que oferece consolo para os santos, conforme a conduta deles. É importante prestar atenção.
13:10 – Se alguém leva para cativeiro, para cativeiro vai. Se alguém matar à espada, necessário é que seja morto à espada. Aqui está a perseverança e a fidelidade dos santos.
Se alguém leva para cativeiro, para cativeiro vai. Se alguém matar à espada, necessário é que seja morto à espada: Há diversas interpretações deste versículo, mas parece mais provável que o Senhor esteja falando aqui sobre os perseguidores – aqueles que prendem ou até matam os santos. Entendido desta maneira, seria uma promessa de vingança contra os opressores. Aqueles que levam os outros ao cativeiro ou que usam a espada para matar, sofrerão os mesmos castigos. Quando a besta se levantou no capítulo 11 para matar as duas testemunhas, a sua vitória durou pouco tempo e a cena se encerra com o sofrimento dos inimigos que se regozijavam com a morte dos servos fiéis. Aqui, também, a besta se levanta para pelejar contra os santos, e conta com a ajuda dos ímpios. Mas quem participar desta perseguição, prendendo e matando os santos, enfrentará a vingança justa.
Aqui está a perseverança e a fidelidade dos santos: A promessa da justiça divina traz conforto aos fiéis. Em termos gerais, os fiéis são perturbados pela injustiça do mundo, e aguardam o dia de acerto quando a justiça de Deus prevalecerá. Assim Ló achou livramento na destruição de Sodoma (2 Pedro 2:7), e as águas do dilúvio serviam de instrumento de salvação para Noé (1 Pedro 3:20). Homens justos, no Velho Testamento, pediam a justiça de Deus sobre os ímpios: “Até quando, SENHOR, ficarás olhando? Livra-me a alma das violências deles...” (Salmo 35:17); “Até quando, ó Deus, o adversário nos afrontará? Acaso, blasfemará o inimigo incessantemente o teu nome?” (Salmo 74:10); “Até quando, SENHOR, os perversos, até quando exultarão os perversos? ... Esmagam o teu povo, SENHOR, e oprimem a tua herança” (Salmo 94:3-5); “Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E não salvarás?” (Habacuque 1:2). Veja outros exemplos em Salmos 6:3-8,10; 13:1-6. Esta mesma preocupação estava nas mentes dos servos de Deus no Apocalipse: “Até quando, ó Soberano Senhor, santo e verdadeiro, não julgas, nem vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?” (6:10). As promessas no Apocalipse de sofrimento por tempo limitado seguido por vitória total servem para confortar os santos e ajudá-los a perseverarem. A besta emergirá do mar, mas a vitória é dos servos do Senhor.
Conclusão
O diabo não desiste. Depois da série de derrotas no capítulo 12, ele esperou na praia para a chegada da besta do mar, um dos aliados dele. Quando ouviram a descrição da besta do mar, os conhecedores do Velho Testamento perceberiam a gravidade de sua situação. O dragão conta com o apoio de uma besta que junta toda a maldade e ferocidade dos impérios dos últimos seis séculos! O mundo pode ser enganado, achando a besta invencível e incomparável. Mas os fiéis sabem que ela não se compara a Deus, e acham consolo na confiança da vitória final sobre a besta, sobre o dragão e sobre quaisquer outros aliados deles. “Aqui está a perseverança e a fidelidade dos santos.”
O ANTICRISTO, O AGENTE DE SATANÁS
Referência: Apocalipse 13.1-18

INTRODUÇÃO

1. A pretenção do anticristo – Satanás, embora derrotado (Ap 12), ainda recebe permissão para perseguir a igreja com sua fúria mais terrível. Ele sempre quis imitar a Deus. O dragão quis ser igual a Deus, numa tentativa de imitar a Deus Pai. A besta que surge da terra, o Anticristo tentará imitar Jesus Cristo. Como o Filho encarnou-se, morreu e ressuscitou, o Anticristo – será uma espécie de encarnação de Satanás, que passará por uma experiência de morte e um simulacro da ressurreição. A besta que surge da terra, o falso profeta, levará os homens a adorarem a primeira besta, numa tentativa de imitar o Espírito Santo que leva os homens a adorarem a Cristo. A Grande Meretriz, a falsa igreja, é uma imitação da Mulher Celestial, da Noiva do Cordeiro, a igreja fiel.Onde quer que um poder civil despótico dê as mãos a alguma religião falsa, aí temos uma reprodução dessas duas bestas.

2. O tempo da aparição do anticristo – Embora o mistério da iniquidade já esteja operando (2 Ts 2:7), o anticristo como pessoa que encarnará o poder dos reinos ímpios e também todo o poder de Satanás, emergirá no breve tempo do fim, visto na Bíblia de várias formas: a) A apostasia (2 Ts 2:3); b) A grande tribulação (Mt 24:21-22); c) A revelação do homem da iniquidade (2 Ts 2:3); d) O pouco tempo de Satanás (Ap 20:3).

I. AS VÁRIAS FACETAS DO ANTICRISTO

1. O anticristo no Livro de Daniel
a) Dn 7:1-6,17-18 - O anticristo é representado inicialmente não como uma pessoa, mas como quatro reinos (leão, urso, leopardo e outro terrível) – Os impérios da Babilônia, Medo-Persa, Grego e Romano.
b) Dn 7:21,25 – 1) Antíoco Epifanes – profanou o templo quando o consagrou ao deus grego Zeus e mais tarde sacrificou porcos no altar do templo.

2. O anticristo no Ensino de Jesus
a) Mt 24:15-28 – 1) O anticristo é visto como o imperador romano Tito que no ano 70 d.C., destruiu a cidade de Jerusalém e o templo (v. 15-20), 2) O anticristo é visto como um personagem escatológico (v. 21-22). A profecia bíblica vai se cumprindo historicamente e avança para a sua consumação final.

3. O anticristo nas Cartas de João
a) Definição – A palavra “anticristo” = cristo substituto ou cristo rival. Ele será um adversário jurado de Cristo.
b) 1 Jo 4:2-3 – O termo anticristo é usado em um sentido impessoal.
c) 1 Jo 2:22; 2 Jo 7 – João refere-se ao anticristo de forma pessoal. Mas João vê o anticristo como uma pessoa que já está presente, ou seja, como alguém que representa a um grupo de pessoas. Assim, o anticristo é um termo utilizado para descobrir uma quantidade de gente que sustenta uma heresia fatal.
d) 1 Jo 2:28 – João fala tanto do anticristo que virá e do anticristo que já está presente. Assim, João esperava um anticristo que viria no tempo do fim – Os anticristos são precursores do Anticristo.
e) Conclusão sobre o entendimento de João sobre o anticristo – Para João o anticristo sempre esteve presente nos seus precursores, mas ele se levantará no tempo do fim como expressão máxima da oposição a Cristo e sua igreja.

4. O anticristo como o homem do pecado na teologia de Paulo – 2 Ts 2:1-12
a) Surgirá da grande apostasia (v. 3);
b) Será uma pessoa (v. 3);
c) Será objeto de adoração (v. 4);
d) Usará milagres falsos (v. 9);
e) Só pode ser revelado depois que aquilo e aquele que o detém for removido (v. 6,7);
f) Será totalmente derrotado por Cristo (v. 8);

II. A DESCRIÇÃO DO ANTICRISTO – (Ap 13:1-18)

1. Sua ascensão se dará num tempo de muita turbulência – v. 1
• “Vi emergir do mar uma besta” (v. 1). O que significa isso? As águas do mar são multidões, as nações e os povos na sua turbulência político-social (Ap 17:5). As águas são símbolo das nações não regeneradas em sua agitação (Is 57:20). Antes do levantamento do anticristo, o mundo estará em desespero, num beco sem saída. Ele emerge desse caos. O pequeno chifre de Daniel, o homem de desolação citado por Jesus, o homem da iniquidade citado por Paulo, o anticristo citado por João e a besta que emerge do mar são a mesma pessoa. Esse personagem encarnou-se na figura dos imperadores (Dominus et Deus) e também em outros reis e reinos despóticos, mas se apresentará no fim como o anticristo escatológico. Ele com seu grande poder vai seduzir as pessoas e conquistar as nações.
a) Ele se levantará num contexto de grandes convulsões naturais – Terremotos, epidemias e fomes.
b) Ele aparecerá num tempo de grande convulsão social – Será um tempo de guerras e rumores de guerras, onde reinos se levantarão contra reinos. O mundo será um campo de guerra.
c) Ele surgirá num tempo de profunda inquietação religiosa – Ele brotará do ventre da grande apostasia. Os homens obedecerão ensinos de demônios. Os falsos mestres e os falsos cristos estarão sendo recebidos com entusiasmo. Nesse tempo haverá duas igrejas: a apóstata e a fiel.
d) Ele surgirá oferecendo solução aos problemas mundiais – O mundo estará seduzido pelo seu poder. Os homens estarão dizendo: “Paz, paz”, quando lhes sobrevirá repentina destruição. O historiador Arnold Toynbee disse: “O mundo está pronto para endeusar qualquer novo Cesar que consiga dar à sociedade caótica unidade e paz”.
e) Ele surgirá num tempo de profunda desatenção à voz do juízo de Deus (Mt 24:37-39) – Esse tempo será como nos dias de Noé.

2. Ele incorpora todo o poder, força e crueldade dos grandes impérios do passado (v. 2)
a) Daniel viu quatro animais ferozes, represetando quatro reinos – A força anticristã foi vista por Daniel como quatro reinos que dominaram o mundo (Babilônia, Medo-Persa, Grécia e Roma).
b) O Anticristo incorpora todo o poder dos impérios anticristãos – O anticristo é o braço de Satanás, enquanto o falso profeta é a mente de Satanás. Ele será um ser totalmente mau, prodigiosamente conquistador. Ele terá a ferocidade do leão, a força do urso e velocidade do leopardo. A besta que sobe do mar simboliza o poder perseguidor de Satanás incorporado em todas as nações e governos do mundo através de toda a história. Essa besta toma diferentes formas. No fim se manifestará na pessoa do homem da iniquidade.

3. Ele agirá no poder de Satanás (v. 2-4; 2 Ts 2:9,10)
a) O anticristo vai manifestar-se com um grande milagre (v. 3) – Ele vai distinguir-se como uma pessoa sobrenatural, por um ato que será um simulacro da ressurreição. Esse fato é tão importante que João o registra três vezes (v. 3,12,14). Certamente não será uma genuína ressurreição dentre os mortos, mas será o simulacro da ressurreição, produzido por Satanás. O propósito dessa misteriosa transação será conceder a Satanás um corpo. Satanás governará em pessoa. O anticristo será uma espécie de encarnação de Satanás. O maioria dos estudiosos vê nessa figura a lenda do Nero redivivo. Nero se suicidou em 68 d.C., em um ano no meio de golpes surgiram 4 imperadores: Galba, Oto, Vitélio e finalmente Vespasiano. Depois surgiu a lenda de que Nero não tinha morrido, mas escapado para o oriente, e que voltaria em triunfo. No tempo de João, Domiciano foi chamado o segundo Nero.
b) O anticristo vai realizar grandes milagres (2 Ts 2:9,10) – “Ora o aparecimento do iníquo é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais e prodígios da mentira”. Hoje vivemos numa sociedade ávida por milagres. As pessoas andam atrás de sinais e serão facilmente enganadas pelo anticristo.
c) O anticristo vai ditar e disseminar falsos ensinos (2 Ts 2:11) – Nesse tempo os homens não suportarão a sã doutrina (2 Tm 4:3), mas obedecerão a ensinos de demônios (1 Tm 4:1). As seitas heréticas, o misticismo e o sincretismo de muitas igrejas pavimentam o caminho para a chegada do anticristo.
d) O anticristo vai governar na força de Satanás (Ap 13:2) – “Deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade”. Na verdade quem vai mandar é Satanás. Os governos subjugados por ele vão estar sujeitos a Satanás. Será o pouco tempo de Satanás. O período da grande tribulação. O governo do anticristo vai ser universal, pois o Satanás é o príncipe deste mundo. O mundo inteiro jaz no maligno. Aquele reino que Satanás ofereceu a Cristo, o anticristo o aceitará. Ele vai dominar sobre as nações. “Deu-se-lhe ainda autoridade sobre cada tribo, povo, língua e nação” (Ap 13:7). O governo universal do anticristo será extremamente cruel e controlador (Ap 13:16,17). O seu poder será irresistível (Ap 13:4). A grande pergunta será: “Quem é semelhante à besta? Quem pode pelejar contra ela?”
e) O anticristo vai se tornar irresistível (v. 4) – Ele será singular e irresistível. Terá a aparência de um inimigo invencível. Contra Deus e os santos que estão no céu vai blesfemar (v. 6). Contra a igreja que estará na terra, ele vai perseguir e matar (v. 7,15b).

4. Ele será objeto de adoração em toda a terra (Ap 13:3,4,8,12; 2 Ts 2:4)
a) A adoração ao anticristo é o mesmo que adoração a Satanás (v. 4) – Adoração é um tema central no livro de Apocalipse: a noiva está adorando o Cordeiro, e a igreja apóstata está adorando o dragão e o anticristo. O mundo está ensaiando essa adoração aberta ao anticristo e Satanás. O Satanismo e o ocultismo estão em alta: As seitas esotéricas crescem. A Nova Era proclama a chegada de um novo tempo, em que o homem vai curvar-se diante do “Maitrea”, o grande líder mundial. A adoração de ídolos é uma espécie de adoração de demônios (1 Co 10:19,20). A necromancia é uma adoração de demônios. O grande e último plano do anticristo é levar seus súditos a adorarem a Satanás (Ap 13:3,4). Esse será o período da grande apostasia. Nesse tempo os homens não suportarão a verdade de Deus e obecerão a ensinos de demônios. O Humanismo idolátrico – O endeusamento do homem e sua consequente veneração é uma prática satânica. Adoração ao homem e adoração a Satanás são a mesma cousa.
b) O anticristo fará forte oposição a toda adoração que não seja a ele mesmo (2 Ts 2:4) – Ele vai se opor e se levantar contra tudo que se chama Deus, ou objeto de culto. Assim agiram os imperadores romanos que viam no culto ao imperador o elo de união e fidelidade dos súditos do império. Deixar de adorar o imperador era infidelidade ao Estado. O anticristo também se assentará no templo de Deus, como Deus, fazendo-se passar por Deus. Ele vai usurpar a honra honra e a glória só devida a Deus.
c) A adoração do anticristo será universal (Ap 13:8,16) – Diz o apóstolo João que “adorá-lo-ão todos os que habitam sobre a terra, aqueles cujos nomes não foram escritos no livro da vida do Cordeiro”. Satanás vai tentar imitar Deus também nesse aspecto. Ao saber que Deus tem os seus selados, ele também selará os seus com a marca da besta (Ap 13:8, 16-18). Todas as classes sociais se acotovelarão para entrar nessa igreja apóstata e receber a marca da besta (13:16).
d) O anticristo perseguirá de forma cruel aqueles que se recusarem a adorá-lo (Ap 13:7,15) – Esse será um tempo de grande angústia (Jr 30:7; Dn 12:1; Mt 24:21-22). A igreja de Cristo nesse tempo será uma igreja mártir (13:7,10). Mas os crentes fiéis vão vencer o diabo e o anticristo, preferindo morrer a apostatar (Ap 12:11).

5. Ele fará oposição aberta a Deus e à igreja de Cristo (Ap 13:6,7; 2 Ts 2:4)
a) O anticristo será um opositor consumado de Deus (Dn 7:25; 11:36; 2 Ts 2:4; 1 Jo 2:2; Ap 13:6) – “Proferirá palavras contra o Altíssimo”; “contra o Deus dos deuses, falará cousas incríveis”. O apóstolo Paulo diz que ele “se opõe e se levanta contra tudo que se chama Deus, ostentando-se como se fosse o próprio Deus”. João declara: “e abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para lhe difamar o nome”. Diz ainda: “Este é o anticristo, o que nega o Pai e o Filho”. O anticristo vai usar todas as suas armas para ridicularizar o nome de Deus. Ele vai fazer chacota com o nome do Altíssimo.
b) O anticristo fará violenta e esmagadora oposição contra a igreja (Dn 7:25; 7:21; Ap 12:11; 13:7) – “Ele magoará os santos do Altíssimo e cuidará em mudar os tempos e a lei; e os santos lhe serão entregues nas mãos”. “Ele fará guerra contra os santos e prevalecerá contra eles”. Mas, mediante a morte os santos o vencerão (Ap 12:11). João diz: “Foi-lhe dado também que pelejasse contra os santos e os vencesse” (13:7). O anticristo se levantará contra a igreja, contra o culto e contra toda expressão de fidelidade a Deus. Esse será o ponto mais intenso da grande tribulação (Mt 24:15-22).

6. O anticristo será apoiado pela segunda besta, o falso profeta (Ap 13:11-18; 16:13; 19:20)
a) A segunda besta seduzirá o mundo inteiro a adorar a primeira besta (Ap 13:11-15) – Se a primeira besta é o braço de Satanás, a segunda é a mente de Satanás. Ela é o falso profeta. A primeira besta age no campo político, a segunda no campo religioso. O Falso Profeta vai preparar o terreno para o anticristo e vai preparar o mundo para adorá-lo. A primeira besta será conhecida pelo seu poder conquistador, pela sua força (v. 4). A segunda besta será conhecida pelo seu poder sobrenatural, de fazer grandes milagres (v. 13-16).
b) A segunda besta usará também a arma do controle para garantir a adoração da primeira besta (Ap 13:16-18) – Esse será um tempo de cerco, de perseguição, de controle, de vigilância, de monitoramento das pessoas, no aspecto político, religioso e econômico. Todo regime totalitário busca controlar as pessoas e tirar delas a liberdade. A recusa na adoração à primeira besta implica em morte (v. 15b).
c) A segunda besta usará um selo distintivo para os adoradores da primeira besta (Ap 13:18; 14:9-11) – Assim como a noiva do Cordeira recebe um selo (7:3; 9:4), também os adoradores da besta recebem uma marca (13:16). Então só haverá duas igrejas na terra, aquela que adora a Cristo e aquela que adora o anticristo. Assim como os que recebem o selo de Deus terão a vida eterna, os que recebem a marca da besta vão perecer eternamente (Ap 14:11; 20:4).

III. A MANIFESTAÇÃO DO ANTICRISTO

1. Sua presente dissimulação e futura revelação (2 Ts 2:6-8)
• Diz o apóstolo Paulo que o anticristo está sendo detido por ALGO (v. 6) e por ALGUÉM (v. 7). “E, agora, sabeis o que o detém, para que ele seja revelado somente em ocasião própria. Com efeito o mistério da iniquidade já opera o aguarda somente que seja afastado aquele que agora o detém” (2 Ts 2:6-7). O que é esse ALGO? Quem é esse ALGUÉM? A maioria dos estudiosos entende que o algo é a LEI e que o ALGUÉM é AQUELE QUE FAZ A LEI SE CUMPRIR.
• É por isso que o anticristo vai surgir no período da grande apostasia, quando os homens, não suportarão leis, normas nem absolutos. Então, eles facilmente se entregarão ao homem da ilegalidade, o filho da perdição.

2. O número de sua identificação (Ap 13:18; 2 Ts 2:3)

• O anticristo no seu cumprimento profético foram governos anticristãos e totolitários ao longo dos séculos que perseguiram a igreja, assim, como o falso profeta simboliza as religiões e as filosofias falsas deste mundo que desviaram os homens de Deus para adorarem o anticristo e o dragão. Ambas as bestas se opoem a igreja durante toda a dispensação.
• Mas, o anticristo aponta para um personagem escatológico que reunirá toda a maldade dos impérios e governos totalitários.
• O anticristo será uma pessoa, ele é o homem da iniquidade, o filho da perdição, o abominável da desolação, a besta que emerge do mar, a encarnação de Satanás: Os cristãos primitivos entenderam que ele era Nero. Os reformadores entenderam que ele era o Papa romano. Estudiosos modernos disseram que foi representado por Napoleão, Hitler, Mussoline.
• Seu número é 666. Sete é o número perfeito, seis o número imperfeito. Seis é o número do homem, o número incompleto, imperfeito, o número do fracasso. O número do anticristo é fracasso, sobre fracasso, sobre fracasso. Ele incorporará a plenitude da imperfeição, a consumação da maldade.

3. A limitação do anticristo (Ap 13:5)

a) O anticristo tem um poder limitado - visto que pode matar os santos, mas não vencê-los (12:11; 20:4). Os verdadeiros crentes preferirão a morte à apostasia (13:8), vencendo assim a besta (15:2). Eles não temem aquele que só pode matar o corpo e não a alma. O anticristo também não pode fazer nada contra Deus e contra os remidos na glória, a não ser falar mal (13:6).
b) O anticristo tem um tempo limitado (13:5) - Quando o seu tempo acabar, ele mesmo será lançado no lago do fogo (19:20).

4. Sua total destruição (2 Ts 2:8)
• Jesus o matará com o sopro da sua boca e o destruirá pela manifestação da sua vinda (2 Ts 2:8).
• Ele será quebrado sem esforço de mãos humanas (Dn 8:25).
• Jesus vai tirar o domínio do anticristo para o destruir e o consumir até o fim (Dn 7:26).
• O anticristo será lançado no lago do fogo que arde com enxofre (Ap 19:20).
• Cristo colocará todos os seus inimigos debaixo dos seus pés (1 Co 15:24-25).
• A igreja selada por Deus (Ap 9:4), preferirá a morte à apostasia e assim vencerá o dragão e o anticristo (Ap 12:11). Aqueles cujos nomes estão no livro da vida não adorarão o anticristo (Ap 13:8). Esses reinarão com Cristo para sempre.

1 comment:

António Jesus Batalha said...

Desejo-lhe paz de Jesus.
Seu blog é muito bom, e pela escrita nota-se que á alguém que ama Deus e ao proximo.
É lendo blogs como o seu que crescemos e aprendemos, blogs que ensinam sobre uma nova vida e dão esperança nesta vida de correria. Gostei do seu abençoado blog.
Aproveito a oportunidade para compartilhar também meu blog. Peregrino E Servo.
Que Deus continue a abençoar-vos ricamente.
Ps. Se seguir meu blog, saiba que irei retribuir.
Antonio Batalha.