Saturday, October 22, 2011

A IGREJA EM MISSÕES

A IGREJA EM MISSÕES

“Mas tendes chegado ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, ... à universal assembléia dos santos e igreja dos primogênitos inscritos nos céus ... à Jesus, o Mediador de uma nova aliança, ...” [Hb.12:22-24]

Estamos como Igreja, vivendo dias muito difíceis, especialmente por causa da falta de entendimento de alguns, que por não estarem firmados na Verdade, até hoje não compreenderam o que realmente é a Igreja, a razão de ser de sua existência e sua principal tarefa aqui na terra. Estando no ministério por mais de 20 anos e sendo membro de uma igreja cristã a mais de 45 anos, conhecendo vários segmentos da Igreja ao redor do mundo, é que cheguei a conclusão que infelizmente uma boa parte daqueles que se dizem cristãos, não sabem onde estão, nem sequer o que realmente a Igreja do Senhor Jesus Cristo é.

Trabalhando por exclusão, vamos ver o que a Igreja não é.

O QUE A IGREJA NÃO É:

A Igreja não é um clube: Alguns cristãos se comportam como se a Igreja fosse um clube social, para onde se entra através de uma proposta assinada[ ficha de membro], com a obrigação de cumprir certos regulamentos, pagar mensalidades [dízimos e ofertas], direito a voto, podendo nela ir quando e como quiserem, se gostam ficam, se não gostam deixam, se o presidente [pastor] faz o que lhes agrada gostam dele, se faz por cumprir a Palavra de Deus não lhes interessa e tentam tirá-lo, enfim, veem a Igreja como se fosse apenas um clube e não como ela realmente deve ser vista, pois embora fisicamente seja uma instituição civil, jamais deve ser vista ou comparada com um clube social ou desportivo, onde apenas as paixões e os desejos da carne prevalecem, os que assim pensam, estão muito enganados, perderam o rumo, erraram o alvo[2Tm.4:3,4,10], estão entristecendo a JESUS CRISTO, Rei e Senhor da Igreja, e correm o risco de perderem o direito à SALVAÇÃO.

A Igreja não é um Pronto-socorro: Outros há que veem a Igreja como se fosse uma estação de primeiros [ou de últimos] socorros, onde apenas as urgências são tratadas e depois cada um pode voltar para sua casa [mundo], para continuarem com sua vidazinha costumeira. Muitos há que só procuram a Igreja quando têm alguma emergência ou necessidade pessoal [Jo.6:24-30]. Enquanto tudo está bem, no lar, na saude, nos negócios, Jesus Cristo e a Igreja estão em segundo ou até mesmo em último plano, mas ao menor sinal de perigo, ou quando tudo de repente começa a correr mal, então é correr apressadamente para a Igreja, buscar o socorro dos irmãos, pedir oração a toda gente, e por que? Porque para esse tipo de cristão a Igreja é apenas um pronto-socorro e nada mais. Para ele há tempo para lazer, restaurantes, passeios, etc, mas nunca há tempo para SERVIR AO SENHOR. Estes também estão muito enganados.

A Igreja não é uma farmácia: Há um outro grupo que vê a Igreja como se ela fosse uma farmácia, onde se vai apenas para buscar ou comprar [com dízimos e ofertas] o medicamento que vai resolver o seu problema de saúde, trabalho, desemprego, intranquilidade, opressão, desgosto, infelicidade, pobreza, contas a pagar, vícios etc. E uma vez satisfeitos, deixam a sua ofertazinha na sacola para amortecer suas consciências, e vão-se embora, para voltarem na próxima vez em que alguma coisa má lhes acontecer, pois afinal, para eles, a Igreja nada mais é do que uma farmácia, aberta 24hs para lhes atender em suas necessidades. Que grande engano vivem os que assim pensam.

A Igreja não é um hospital: Um outro grupo de pessoas [ cristãos e mesmo não cristãos] veem a Igreja como um hospital. É verdade que Jesus comparou-se a um médico quando disse: “...: Os sãos não necessitam de médico, mas sim os doentes. ...”[Mc.2:17], mas isso de modo algum dá a quem quer que seja o direito de pensar que a Igreja é um hospital, embora Jesus seja o médico dos médicos. A Bíblia diz em 1Jo.3:8: “Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do Diabo”.E a maior delas é o pecado, mas a maioria das pessoas não estão preocupadas com o seu pecado, ou com a salvação de sua alma, mas sim com o seu problema imediato, por isso procuram a Igreja como se ela fosse um hospital para serem internados e tratados daquilo que lhes interessa, e depois de curados, dão baixa [por conta própria] e voltam para o mundo. Que maneira mais pobre de pensar acerca da Igreja do Senhor!

O que a Igreja é:

De acordo com os ensinamentos da Bíblia, entre outras coisas eis o que a Igreja é: ... adoradores de Deus [Hb.10:2]; ... os amigos de Deus [Tg.2:23]; ... aprisco das ovelhas de Deus [Jo.10:16]; ... assembléia dos santos [Sl.149:1]; ... congregação dos salvos [hb.10:25]; ... casa de Deus, coluna e baluarte da verdade [1Tm.3:15]; ...candeeiro [Ap.1:20]; ... cidade do Deus vivo, Jerusalém celstial e monte Sião [Hb.12:22]; além disso, nela estão os CONCIDADÃOS DOS CÉUS [Ef.2:19]; é também: o CORPO DE CRISTO [Ef.1:23]. Além de muitos outros adjetivos que a identificam com aquele que é o seu fundamento e fundador.

A grande tarefa da Igreja: A principal missão ou tarefa da Igreja, é fazer o nome do Senhor conhecido na terra [Mt.24:14; 28:19,20; Mc.16:15-18; Lc.24:47]. Estará a Igreja realmente fazendo isso? Infelizmente a resposta é não e poderemos verificar isso com dados mais conclusivos nos próximos pontos. Mas a grande verdade é que a Igreja independente de denominações, tem errado o alvo por causa de falhas na forma de encarar a sua real missão

a igreja e as portas do inferno

“... e as portas do inferno, não prevalecerão contra ela”. [Mt.16:18]. A Igreja começou muito bem o seu trabalho [Mc.16:20], e talvez por isso eles se descuidaram e foram apanhados de surpresa pelas portas que o inferno abriu na sua direção, muitos cristãos quando isso começou a acontecer, não perceberam que era cumprimento daquela profecia de Jesus.

Foram três, entre muitas, as principais portas que o inferno abriu para tentar parar e atrair a Igreja.

1 - A porta da perseguição: Percebendo que muitos cristãos estavam entusiasmados com o seu trabalho, Satanás ordenou que o inferno abrisse a porta da perseguição [Lc.21:12; At.7:57-60; 11:19; 12:1-4], a qual gerou e ainda gera muitos martires por todo o mundo. Esta porta continua aberta, mas não foi a que mais mal causou à Igreja.

2 - A porta das doutrinas falsas: Depois da perseguição e quando percebeu que a Igreja perseguida orava e vencia, ele mandou abrir uma porta chamada - doutrinas falsas - para por meio de falsos ensinos, produzir heresias e confundir o povo de Deus. Entre outras: GNOSTICISMO - ecletismo filosófico-religioso, que visa conciliar todas as religiões por meio de ritos e dogmas comuns, pondo no mesmo nível: queda do homem, redenção, cabala, meditação transcendental etc. NICOLAISMO - ensino herético que ampliava a doutrina de Balaão, dizendo que uma pessoa podia ser cristão e ao mesmo tempo praticar imoralidades sexuais, prostituição, adultério, cultos idólatras [2Rs.5:18,19], enfim, tudo o que quizesse, pois Deus só quer o coração, sem com isso perder sua salvação. Em outras palavras: “uma vez salvo, salvo para sempre”. Esta porta, apesar dos alertas dos apóstolos [1Tm.1:20; 2Tm.2:17; 4:10,14; 2Pe.2:1-3; Jd.11-13] causou grandes males para a Igreja.

3 - A porta da adesão: Esta porta abriu-se quando em 3l3A.D Constantino, que lutava para ser o Imperador de Roma, aderiu ao Cristianismo, motivado por uma visão que teria tido em 27/10/0312, as vésperas da batalha da Ponte Milvia. Venceu. Ao assumir o governo, decretou o fim da perseguição aos cristãos. Tudo isso culminou com Teodósio [ o 3º depois de Constantino ] que por decreto imperial, estabeleceu o cristianismo como a religião oficial do Estado, as pessoas não aceitavam a Jesus como seu salvador, foram obrigadas a isso por decreto. Isso trouxe o romanismo para a Igreja e não o cristianismo para Roma. De todas esta foi a mais eficiente e produz terriveis efeitos até hoje.

A IGREJA E O CAVALO DE TROIA

Em Ct 6.10; lemos: Quem é esta que aparece como a alva do dia, Formosa como a lua, brilhante como o sol, formidável como um exército com bandeiras? Este versículo, trás um conteudo profético de extraordinária semelhança e aplicação à Igreja, assim como às diferentes fases que ela tem vivido.

A primeira parte: “Quem é esta que aparece como a alva do dia” podemos identificar com a primeira fase da Igreja. Desde a gloriosa revelação de Deus a Moisés no Monte Sinai, quando as leis foram dadas ao povo de Israel, para que pela obediência delas a humanidade um dia pudesse ser alcançada pelo favor de Deus, ocorrera exatamente o contrário; Israel se afastou de tal maneira da vontade do Senhor que tornou-se apenas mais uma nação escravizada pelo poderio de Roma. O culto ao Senho em Israel era apenas uma caricatura do que a lei prescrevia, pelo fato do povo viver oprimido pelo Imperador Romano, o qual tido como um deus, exigia que seu busto e seus estandartes tivessem lugar no Templo do Senhor. Após 400 anos de silêncio, chamado período interbíblico, que vai de Malaquias a Mateus, num belo dia, uma virgem na pequena cidade de Nazaré da Galiléia recebe a visita de um anjo, o qual lhe diz que ela tinha sido escolhida para abrigar em seu ventre aquele que seria o Salvador da humanidade. [Lc 1.26-38]

Um pouco antes, Deus visitara também sua prima Isabel que era estéril e lhe dissera que do ventre dela sairia um com o mesmo espírito, chamado e convicção de Elias, o qual seria o precursor do Messias. [Lc 1.13-17; 39-45]

Aproximadamente 33 anos depois, nasce a Igreja, gerada pelo poder do sangue derramado no calvário, gerada pelo poder da ressurreição do Cristo de Deus, gerada pelo poder do Espírito Santo do Deus Todo Poderoso. E após quase 450 anos de total escuridão e aparente abandono, como o dia que nasce, em tempo de inverno, quando o sol custa um pouco mais a aparecer, NASCE A IGREJA, surge como a alva do dia. A partir daqui começa a cumprir-se nela a profecia do Senhor Jesus em Mt 16.18, sobre o que nos reportamos um pouco anteriormente. Isto vai até ao ano 313, quando o Imperador Constantino, segundo conta a história, teria tido uma visão de um anjo, com uma epada

Anjo com uma espada em forma de cruz em sua mão e lhe teria dito: “Com este símbolo vencerás”. Comovido, ele teria aceitado o Deus dos cristãos e “professado” uma adesão ao cristianismo. O certo é que a Igreja ficou tão entusiasmada com a adesão de Roma, que acabou se romanizando, aceitando todos os ritos e costumes dos romanos, como parte da liturgia da igreja. Os cristãos verdadeiros não aceitaram isso, uma parte da Igreja fica romanizada, a outra vai de volta as catacumbas e permanece fiel ao Senhor Jesus. Aqui ela deixa de ser aquela que aparece como a alva do dia e se torna naquela que aparece Formosa como a lua. Pois assim como a luz da lua só pode ser realmente vista e apreciada quando a noite está mais escura, assim também a Igreja daquele período. Perseguida em todas partes do mundo pelo Papa e pelo clero romano, ela sobrevive milagrosamente por mais de 1200 anos, até que em 1517, um monje alemão, Martin Luther, inicia um movimento chamado de reforma protestante, que rapidamente espalhou-se pela Europa, pois havia muitos corações, mesmo dentro do clero romano, ansiosos por algo que os ajudasse a se libertarem da opressão dos dogmas e viverem a Palavra de Deus. Nesses 1200 anos de história, produziram-se os maiores mártires da Igreja. Mas agora, embalada pelo cântico do hino CASTELO FORTE, escrito por Martinho Lutero, com base nos salmos 46 e 91, a Igreja aparece brilhante como o sol, no esplendor de sua força, após a longa noite de 1200 anos, como o sol no verão, quando o dia surge mais cedo. Fortalecida na Graça e no Poder do Senhor e do seu Espírito Santo, ela rompe as cadeias impostas pelo Império Romano Religioso e se lança pelo mundo em busca das almas perdidas. Esse é o período em que vivemos, mas hoje, infelizmente, parenteses de escravidão se podem ainda encontrar, de forma sutil, inteligente, labiosa mesmo, o nosso inimigo tem conseguido laçar, aprisionar e desviar parte da Igreja protestante. Para que possas entender isso, preciso te contar uma história: A história do Cavalo de Troia.

De acordo com a lenda associada à conquista de Tróia pela Grécia, na chamada Guerra de Tróia, um grande cavalo de madeira foi deixado junto às muralhas de Tróia. Construído de madeira e oco no seu interior, o cavalo abrigava alguns soldados gregos dentro da sua barriga. Deixado à porta da cidade pelos gregos, os Troianos acreditaram que ele seria um presente como sinal de rendição do exército inimigo.

O cavalo de Tróia teria sido uma invenção de Odisseu (o guerreiro mais sagaz da Ilíada e personagem da Odisséia) e construído por Epeu.

Apesar de ser parte da história da Guerra de Tróia, o cavalo de Tróia só é descrito com detalhe na Eneida, obra da literatura latina que conta a fundação de Roma.

Por acreditarem que aquilo era uma presente, um sinal de rendição e uma proposta de PAZ, arrastaram o cavalo para dentro da cidade, fizeram uma grande roda a volta dele, acenderam fogueiras, festejaram muito, beberam, embriagaram-se, alegraram-se e fizeram brindes aos seus DEUSES. Mas... de madrugada, quando todos estavam adormecidos e embriagados, o inimigo saiu de dentro do cavalo, abriram as portas da cidade, mataram todos e destruiram Troia.

QUE COISA MAIS TRISTE!!! Será que isso está acontecendo conosco?

Durante mais de quatro séculos a Igreja resistiu tenazmente as investidas de Roma (Império), que pela perseguição, intimidação, poder político, poder econômico , sociedades secretas etc, tentou de todas as formas penetrar, influenciar e deter o crescimento da Igreja do Senhor Jesus Cristo, mas com pouco sucesso, pois fortalecida pela Palavra de Deus, a Igreja resistiu bravamente aos ataques frontais do adversário.

No entanto, ao meio da década de 50 do século 20, num belo[ou triste] dia, a Igreja vê, bem na sua porta o animal mais estranho que jamais tinha visto; estranhíssimo de fato. Tinha uma aparência completamente fora do comum. Se pudessemos descrevê-lo como um cavalo, ele seria mais ou menos assim: grande o bastante para impressionar pelo tamanho, belo, branco, com uma linda crina dourada, frizada e trançada, a cauda também loura, e trançada, com grandes brincos nas orelhas, colares, pulseiras em todas as patas, lábios bem torneados e pintados, cílios alongados e pintados, ora usava terno e gravata, ora saias curtissimas, ora calças femininas bem ajustadas ao corpo. Falando muito bem das coisas de Deus, pregando sobre fé, prosperidade, cura divina, bem estar na terra, sobre o imenso amor de Deus que jamais mandará o homem para o inferno, e principalmente, dizendo que Deus quer somente o coração, e utilizando o versículo que diz: “Aquele que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora”[Jo 6.37] para afirmar que ninguém perde a sua salvação e que uma vez salvo, salvo para sempre. Cantando e dançando como homem ou como mulher em ritmos mundanos; falando em línguas e profetizando e até mesmo realizando alguns sinais, prodígios e maravilhas da mentira. [2Ts 2.9,10], afora outras coisas impressionantes que esse animal, semelhante ao cavalo de troia faz.

Vendo isso, uma parte da Igreja ficou feliz e acreditou que o inimigo tinha desistido da perseguição e abriu suas portas para que esse animal [espírito imundo] mitológico pudesse entrar, e ele entrou. O problema é que, a Igreja alimenta-se com a Palavra de Deus; Ex 12.5-9, nos mostra qual o tipo de animal que deve ser parte de nossa vida; O Cordeiro de Deus, não o cavalo de Roma. O versículo 9 nos diz que devemos comer a cabeça, as pernas e as entranhas do cordeiro para termos comunhão plena com Deus e a salvação que Ele nos oferece. Mas não é isso que sai do interior do cavalo. Enquanto o cordeiro é um animal limpo, o cavalo é animal imundo. Ao permitir que o cavalo entre na nossa vida, passamos a pensar como ele, andar como ele e viver como ele, mas não é isso que Deus quer para a Sua Igreja. É com tristeza que vemos muitos cristãos mundo afora enganados por essa artimanha de Satanás e andando pela vontade do cavalo e não pelo coração do cordeiro.

A Igreja tem permitido que o mundo entre nela. Em vez dela influenciar o mundo, na verdade está sendo influenciada cada dia mais pelo mundo. Qual o remédio para isso? Veremos na última parte deste estudo.

LANÇANDO A FOICE

“Lançai a foice, porque já está madura a seara...”.[Jl.3:13,14]

“Não dizeis:Ainda há quatro meses até a ceifa?”[Jo.4:35]

Algumas perguntas eu tenho feito a mim mesmo nestes dias: Para onde estamos indo? Estamos no rumo certo? Estamos indo bem ou não? Será que precisamos fazer ajustes no nosso rumo?

A seara é o mundo. Nas duas referências que tomamos como base podemos ver que de alguma forma o povo de Deus está descuidado.

Em 1Jo.5:19, vemos que o mundo jaz no maligno. Para alguns a Igreja é apenas fonte de lucro[Ez.33:31; 2Pe.2:3]. De acordo com a Bíblia eis a RADIOGRAFIA DO MUNDO: Perverso [Gl.1:4]; corrompido[Tg.1:27]; condenado[At.17:31]; pecador[Rm.5:11]; escravizado[Cl.2:20]. Os dois ceifeiros trabalhando são: O Céu [Igreja] e o Inferno [Satanás].

1 - O trabalho da Igreja: Pouco evangelismo, pouca oração, pouco trabalho social, pouco investimento em missões, muitas Festas, congressos, métodos subjetivos, cultos especiais [visão deficiente]etc.

2 - O trabalho do Inferno: Satanismo, violência, jogo, corrupção, prostituição, pornografia, destruição da família, feitiçaria, apostasia, modernismo, etc.

A população mundial já alcança seis bilhões. Destes, metade nunca ouviram falar de Jesus [janela 10/40] mais de um bilhão, estão perdidos nas mãos do islamismo. Nos dois bilhões restantes estão todos os segmentos do cristianismo, inclusive os materialistas, kardecistas, humanistas, mormons, testemunhas de jeová, etc. Os dados não param por ai: 200 morrem a cada minuto, 12.000 por hora, 288.000 por dia em todo o mundo, e quantos morrem salvos? Será que precisas de mais razões, para te lançares a luta em busca dos perdidos?

QUAL FOI A ESTRATÉGIA DA IGREJA PRIMITIVA?

- Trabalhava mais nas casas do que nas sinagogas [At.2:42-47].

* Fazia uso constante do poder do nome de Jesus [At.3:6].

* Separou obreiros mediante orientação divina [At 6.1-4]

- Enviou obreiros separados pelo Espírito Santo [At.13:1-4].

- Evangelizou o mundo de sua época [Cl.1:6].

QUAL ESTÁ SENDO A ESTRATÉGIA DA IGREJA DE HOJE?

- Investe mais em estrutura física: templos, instituições, veículos, etc do que em evangelismo.

- Permite e até incentiva o surgimento de “ministérios meteóricos” que quase sempre terminam por roubar a glória de Deus.

- Permite e admite que chamados autênticos acabem sufocados.

- Fechou-se dentro dos seus templos e esqueceu que os perdidos estão lá fora, no mundo precisando serem alcançados.

.

O que a Igreja precisa fazer hoje para uma mudança total em seus objetivos, projetos e relizações?

1 - Reconhecer que está falhando. [Ap.2:4]

2 - Arrepender-se e voltar ao primeiro amor. [Ap.2:5]

3 - Deixar de lado como prioridade a execução de projetos faraônicos que só exaltam o homem e investir mais em evangelismo, missões, treinamento e preparação de obreiros .

4 - Reprogramar suas atividades a nível de igreja local, deixando de lado tantos congressos e festas, onde pregadores, “profetas” e cantores “de renome”, são exaltados, o que pouco, ouquase nada produz em termos práticos para a expansão do Reino.

5 –Cuidar mais da área social da própria igreja, que está muito esquecida [Tg.2:14-18], assim como da área espiritual: Jejum, oração, consagrações, santificação interior e exterior, etc.

6 - Cuidar melhor dos novos convertidos, com um discipulado mais atuante, pois hoje menos de 5% dos que aceitam ao senhor Jesus, descem as águas do batismo.

7 - Investir mais na preparação de obreiros locais, com cursos específicos para Diáconos, Presbíteros, Pregadores, Evagelistas, etc. Pois as escolas bíblicas dão uma preparação geral e genérica, sem atentar para as necessidades da igreja local. Obreiros mal preparados tem sido um problema constante em nossas igrejas.

8 - Deixar de lado a idéia única de fazer missões isoladamente, com o propósito de ampliar o seu próprio campo ministerial, e investir tembém em projetos missionários já existentes.

Pastor – Eliel Gomes da Silva

Johannesburg – South Africa

No comments: